Ultrassom antitumor já é utilizado no Estado de S. Paulo

Equipamento de última geração usa ondas de alta intensidade, que atingem só o tumor

SÃO PAULO - O Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) é o único hospital da América do Sul a contar com um novo aparelho de ultrassom que destrói tumores. Segundo informações publicadas no jornal Folha de S.Paulo desta sexta-feira, o Icesp já fez seis tratamentos em miomas e vai começar a tratar tumores nos ossos na próxima semana.

O equipamento de última geração usa ondas de alta intensidade, que atingem só o tumor, pois são direcionadas com o auxílio da ressonância magnética. O tratamento não é invasivo e dura de três a quatro horas.

O ultrassom com foco de alta densidade é uma das esperanças para o tratamento do câncer no mundo. Em alguns lugares, como nos Estados Unidos, Europa e Ásia, a técnica já está sendo testada em tumores cerebrais, de mama e próstata.

Segundo declarações do radiologista do Hospital Sírio-Libanês e do Icesp ao jornal, o aparelho emite ondas muito mais potentes do que um ultrassom convencional. "O novo aparelho emite 20 ondas vinte mil vezes mais intensas do que um ultrassom comum, usado em exames de imagem", disse.

O resultado destas ondas superconcentradas é que, quando ela atinge o tumor, acaba ocorrendo um superaquecimento que o queima. Apesar do otimismo, o uso do novo equipamento ainda está em fase de testes e traz como ponto positivo o fato de não ser invasivo. Porém, o processo pode ser um pouco doloroso e ficar preso em algumas limitações, como a dificuldade em atingir tumores próximos a órgãos importantes ou a impossibilidade da utilização de pacientes que possuem marca-passo ou próteses metálicas.

Mas, apesar das restrições, não deixa de ser uma boa notícia para os profissionais que lutam diariamente contra o câncer em seus pacientes.

Fonte: JB