Vigia faz exame para saber se é pai de menina abandonada

Vigia faz exame para saber se é pai de menina abandonada

Advogado também pediu concessão de liberdade provisória para suspeita

O advogado Éverton Ribeiro disse nesta terça-feira (26) que o suposto pai da criança abandonada pela mãe em uma caçamba de lixo na Praia Grande, no litoral paulista, submeteu-se na manhã desta terça à coleta de material genético para exame de DNA, realizado com a intenção de provar que é o pai da menina.

?Essa certeza sobre a paternidade vamos ter com o exame do DNA. Ele (o vigia) não se furta à responsabilidade. É um homem idôneo?, contou Ribeiro, no início da tarde. De acordo com ele, o vigia é casado ?há mais de 20 anos? com a mesma mulher e tem quatro filhos. A criança abandonada pode ter sido fruto de uma relação extraconjugal que ele teve com a mãe.

O advogado, que também defende a mãe da criança, disse que protocolou no domingo, na Justiça de Praia Grande, o pedido de liberdade provisória para tirar a mulher da cadeia.

De acordo com o advogado, as imagens captadas por câmeras de segurança podem provar que a mãe estava sob pressão, mas não tinha intenção de maltratar a criança.

?O comportamento dela demonstra o estado puerperal (também conhecido como depressão pós-parto). É uma patologia?. Mesmo admitindo que houve o abandono, Ribeiro considerou que a mulher ainda demonstrou ?afeto materno? pela menina. ?Ela enrolou, embalou, acondicionou a criança. Não a jogou. Mesmo ali, você percebe que não houve violência?, afirmou.

Na segunda-feira (25), a polícia começou a ouvir as testemunhas do caso. Duas pessoas foram intimadas para depor: a dona da clínica de repouso onde a suspeita trabalhava e o suposto pai da criança, que é vigia da clínica. Por enquanto, apenas a proprietária compareceu à delegacia. Ela alegou não saber da gravidez da funcionária.

A suspeita está presa na Cadeia Feminina de Santos e foi indiciada por tentativa de homicídio e abandono de incapaz. A criança, batizada pelos médicos de Vitória, segue internada na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Irmã Dulce, em Praia Grande.

Outros filhos

A mulher é suspeita também de ter abandonado outros três filhos, segundo a prefeitura do município. Além dos seis declarados, a mulher teria dado à luz um casal de gêmeos, hoje com pouco mais de 1 ano de vida, e também seria mãe de uma adolescente de 15 anos, que foi posta para adoção logo após o nascimento.

Uma ex-patroa da suspeita, que não quis ter o nome divulgado, afirmou que a mulher, que trabalhava na sua casa, escondeu de todos a gravidez da filha adolescente. De acordo com a prefeitura, o casal de gêmeos nasceu em março do ano passado, mas o paradeiro dessas crianças ainda é desconhecido.

Fonte: g1, www.g1.com.br