Zeca Pagodinho é indenizado por atraso em voo

Zeca Pagodinho é indenizado por atraso em voo

No ano passado as empresas já haviam sido condenadas a pagar R$ 10 mil,

A Justiça do Rio concedeu uma indenização de R$ 30 mil para o cantor Zeca Pagodinho esta semana. Ele havia processado a companhia aérea e a agência de turismo que o traziam com a família de volta ao Brasil de uma viagem de férias de Bariloche, na Argentina, em 2008, por ter sofrido com atraso de quatro horas. Duas delas, dentro do avião, em Buenos Aires, sem direito a comida e com banheiro interditado.

No ano passado as empresas já haviam sido condenadas a pagar R$ 10 mil, mas o advogado de Zeca recorreu do valor. ?Na decisão, o desembargador afirmou ter verificado que a sentença anterior foi ?acanhada, devendo ser fixada em atenção estrita aos princípios da razoabilidade?, que foi o que eu sustentei?, contou Sylvio Guerra, autor da ação.

A decisão foi do desembargador Roberto Guimarães, da 11ª Câmara Cível do Rio, já em segunda instância, e os réus, agora, se quiserem recorrer, deverão procurar o Superior Tribunal de Justiça. O processo conta que o pacote fechado por Zeca ?incluía a parte aérea em voos fretados, hospedagem, traslados, passeios e outros serviços?, que ele pagou à vista para as sete pessoas da família. O documento diz ainda que o cantor afirmou que, durante o período, sua filha, de 4 anos, ?chorava de fome, sede e frio?.

As outras versões

No processo, a agência de viagem alegou que providenciou ?recepção especial de boas vindas e serviço particular de transporte para todos os passeios? e que ?não mediu esforços para assegurar ao autor e seus familiares a máxima privacidade possível, instalando-os em um hotel de primeira categoria?.

Já a companhia aérea disse que foi obrigada a substituir uma das aeronaves que costuma voar para Bariloche por causa das ?constantes erupções do vulcão Chaitén, que propagaram na atmosfera suas cinzas à altitude de voo, o que poderia provocar graves problemas nas turbinas, o que comprometeria em muito a segurança dos voos?.

A empresa afirma ainda que, por isso, os passageiros foram acomodados em ?um avião de menor capacidade de transporte, altitude e autonomia de voo?, e, por isso, teve que fazer escala para reabastecimento em Buenos Aires. Lá, ?os passageiros permaneceram dentro do avião para evitar uma maior dispersão dos mesmos e demora para as operações de embarque e desembarque?.

Como foi o caso

O avião que trazia o cantor e dezenas de outros brasileiros partiu com quatro horas de atraso e deixou os passageiros esperando por quase duas horas durante a escala em Buenos Aires, sem que eles pudessem descer da aeronave.

Na época, o cantor contou que faltou água, os banheiros não tinham condição de uso e o avião apresentava sinais de deterioração, além de ser tripulado por pessoas que não falavam português e nem tentavam responder às perguntas dos brasileiros. Zeca explicou ainda que, em determinado momento, o avião passou a receber novas cargas para transporte e um passageiro começou a discutir com a aeromoça, dizendo que não tinha pagado para viajar em avião cargueiro. "Os banheiros entupiram, o avião entrou em pânico", resumiu o cantor.

Fonte: g1, www.g1.com.br