Ainda estou na luta pelo título, diz Schumacher

O heptacampeão mundial disse que não tem motivos para ficar desanimado

XANGAI (Reuters) - Michael Schumacher rebateu as críticas sobre seu desempenho no começo da temporada e afirmou, nesta quinta-feira, que ainda está na briga pelo título da Fórmula 1 este ano.

O heptacampeão mundial disse que não tem motivos para ficar desanimado com suas três primeiras corridas pela Mercedes e acredita que está fazendo um progresso melhor que o esperado.

"Se nós conseguirmos progredir com a nossa velocidade rapidamente não há razão para não brigarmos pelo campeonato", disse o alemão em entrevista coletiva para o Grande Prêmio da China, no domingo.

"A temporada é longa pela frente, progredir é muito importante, todos nós sabemos como se avança rapidamente. Tenho certeza que nós temos o potencial para desenvolver esse carro", acrescentou Schumacher, que está 30 pontos atrás do líder do campeonato, Felipe Massa, da Ferrari.

"Estou longe de pensar que a temporada acabou para Nico (Rosberg, seu companheiro na Mercedes) e até mesmo para mim."

Schumacher largou atrás e foi superado por seu companheiro nas três provas da temporada até agora. Um bom sexto lugar no GP de abertura no Bahrein foi seguido por um decepcionante 10o na Austrália, enquanto na Malásia um problema mecânico o tirou na metade da prova.

Como resultado, Schumacher ganhou um certo alívio na perseguição da mídia que experimentou durante os anos em que dominou o esporte pela Benetton e Ferrari.

"Estou por aqui há bastante tempo para conhecer o que chamo de onda de emoções", disse o piloto de 41 anos.

"Os resultados não foram tão bons como algumas pessoas esperavam, até eu, mas a competição é difícil. Então é natural que eu não tenha a mesma abordagem positiva da mídia. Sei exatamente o que tenho feito, sei o que está acontecendo e não tenho motivos para ficar decepcionado. Estou muito feliz, as pessoas gostem ou não."

A últimas das 91 vitórias de Schumacher aconteceu em Xangai, há quatro anos, mas o veterano de mais de 250 corridas disse um não à nostalgia.

"Não sou uma pessoa presa no passado", disse. "Prefiro olhar para frente e ter uma corrida melhor do que as últimas três."

Fonte: UOL