Após anos de luxo, Ronaldinho estreia em palcos menores

Após anos de luxo, Ronaldinho estreia em palcos menores

Neste domingo (6), astro vai atuar para apenas 10 mil pessoas em Macaé

Ronaldinho Gaúcho passou quase uma década no futebol europeu. Lá conheceu os melhores e mais modernos estádios. Porém, ao trocar o Milan (ITA) pelo Flamengo, aceitou experimentar a realidade da maioria dos palcos no Brasil. Neste domingo (6), começará seu tour pelo interior fluminense para poucos felizardos.

A primeira parada será em Macaé, local do duelo diante do Boavista, às 17h. A cidade fica a 180 km do Rio de Janeiro, no norte do Estado, e a delegação rubro-negra deve fretar um avião até lá.

Na ?Capital do Petróleo Brasileiro?, como é conhecida, Ronaldinho Gaúcho fará sua segunda partida pelo Flamengo no estádio Claudio Moacyr, chamado de Moacyrzão. Inaugurado em 1980, foi todo reformado há dois anos, ao custo de R$ 21 milhões, e tem capacidade para receber apenas 10 mil torcedores.

Desta forma, mesmo com todos os ingressos vendidos, é provável que Ronaldinho jogue para seu menor público nos últimos anos, já que na Europa os estádios invariavelmente estão cheios e possuem capacidade superior ao Moacyrzão.

Entretanto, apesar de acanhado, o palco recebeu elogios de Vanderlei Luxemburgo, que gostaria de ver o estádio ampliado para receber mais jogos do Flamengo. O gramado e os vestiários passaram no crivo do técnico e não devem assustar Ronaldinho.

- Ali poderia ter 30 mil lugares. Gostei de lá. Seria uma alternativa para o meio do ano, pois o Engenhão não é nossa casa. Nos sentimos sempre visitantes.

Por sinal, a segunda viagem de Ronaldinho Gaúcho pelo interior deverá ser novamente para Macaé, mas somente em março, quando no dia 20 o clube enfrenta a Cabofriense, provavelmente no Moacyrzão.

Depois, o craque irá conhecer a principal cidade do sul fluminense. Em Volta Redonda, no estádio Raulino de Oliveira, o Flamengo deverá encarar o Duque de Caxias no dia 6 de abril. O palco, novidade para Ronaldinho, é conhecido de todos no clube, já que desde 2004 o Rubro-Negro costuma mandar algumas partidas lá. Contudo, recebe somente 20 mil pessoas.

Depois, apenas no Brasileirão o meia-atacante deverá enriquecer seu conhecimento sobre os mais diversos estádios. Isso porque a Federação de Futebol do Rio de Janeiro vetou a maioria dos palcos dos clubes de menores investimentos no Carioca.

Com isso, equipes como o Americano, Boavista, Cabofriense e Resende, por exemplo, precisam receber os grandes clubes em outros campos. Com isso, as alternativas são sempre Macaé ou Volta Redonda, dois locais liberados.

Fonte: R7, www.r7.com