Árbitro chora após episódio de racismo: "Pensei no meu filho"

Árbitro chora após episódio de racismo: "Pensei no meu filho"

Márcio Chagas da Silva encontrou bananas no seu carro depois de trabalhar na vitória do Esportivo por 3 a 2 na Montanha dos Vinhedos

As feridas abertas pelo ataque racista a Márcio Chagas da Silva vão demorar a fechar. Depois de encontrar bananas no seu carro após apitar o jogo entre Esportivo e Veranópolis, na Montanha dos Vinhedos, em Bento Gonçalves, ele se emocionou ao relembrar o episódio. Em sua casa, em Porto Alegre, o árbitro lamentou o ato, ocorrido após a vitória dos donos da casa por 3 a 2.

- Quando me deparei com meu veículo com as portas amassadas e bananas por cima? banana no cano de descarga, eu fiquei muito decepcionado por ser tratado dessa forma, já que vivemos numa cidade relativamente educada e evoluída. Eu pensei no meu filho. Pensei: "Eu vou dar um beijo no meu filho" e dizer "cara, para ti isso não vai acontecer porque isso é muito ruim, é muito ruim" - disse, chorando.

Segundo ele, desde a entrada no gramado na Montanha dos Vinhedos, ouviu ofensas. E, ao ir embora, encontrou as bananas em seu carro, no estacionamento. A direção do Esportivo, clube mandante da partida, está reunida e se manifestará oficialmente até o fim da tarde.

- Eu me senti muito mal, bem decepcionado, porque a gente sai de casa sempre para fazer o melhor trabalho possível. Lógico que os erros da arbitragem vão acontecer, e não foi motivo para que tivesse acontecido tudo isso dessa forma negativa, porque, se forem buscar as imagens e até as análises da partida, não há lances contestáveis pra que pudesse acontecer uma manifestação tão negativa como foi dessa forma. E até meu questionamento aos meus colegas no término da partida foi... isso porque a equipe do Esportivo venceu a partida, imagine se fosse ao contrário. De repente colocariam fogo no meu carro? Invadiriam o vestiário? - questionou.

O árbitro garantiu que vai fazer boletim de ocorrência e que aguarda um posicionamento da Federação Gaúcha de Futebol:

- Eu preenchi a súmula, eu vou fazer o boletim de ocorrência ainda, porque não consegui fazer ontem (quarta-feira). Fiquei bem abalado emocionalmente e não consegui fazer naquele momento, queria voltar o mais rápido possível para minha residência. Vou entrar em contato com o sindicato dos árbitros, para ver qual procedimento adotar. E esperar o julgamento da Federação Gaúcha de Futebol a esse fato lamentável - disse.

Márcio Chagas diz não ter dúvidas de que os insultos saíram do local onde estavam os torcedores da equipe da casa, já que a divisão na arquibancada, segundo ele, fica bem clara. Além de relatar o incidente na súmula do jogo, ele aguarda um posicionamento do sindicato dos árbitros sobre o assunto. Diz que ouviu xingamentos como ?macaco?, ?teu lugar é na selva? e ?volta para o circo?, entre outros. As ofensas foram percebidas também no intervalo da partida.


Árbitro chora após episódio de racismo no RS:

Fonte: GloboEsporte