Hamilton deixa Nico para trás, vence GP de Abu Dhabi e é bicampeão da F-1

Ultrapassado por inglês na largada, alemão perde potência no motor e cruza em 14º. Massa chega a ameaçar vitória de Lewis e fica em segundo, melhor resultado no ano

Faz pouco mais de oito meses desde que Lewis Hamilton e Nico Rosberg deram início, na ensolarada tarde de Melbourne, na Austrália, para o que seria uma das mais acirradas disputas de título da história da Fórmula 1. Nesse meio tempo, muitas dobradinhas, pegas e brigas dentro e fora da pista, que abalaram a estrutura de uma amizade cultivada desde as corridas de kart, na adolescência. E neste domingo, no cair da noite de Abu Dhabi, enfim, a “guerra” chegou ao capítulo final. E quem comemorou foi Hamilton, que se sagrou bicampeão mundial, coroando a conquista com uma incontestável vitória, sua 11ª em 2014.

 

Em Yas Marina, no entanto, a batalha da dupla da Mercedes durou apenas alguns metros. Se a regra de pontuação dobrada dava esperanças a Rosberg, aumentado as expectativas para a decisão, Lewis tratou de acabar com a festa do companheiro de equipe logo na largada. Em segundo lugar no grid, partiu melhor e engoliu o alemão, assumindo a liderança. Hamilton ainda teve a vida facilitada, já que Nico enfrentou problemas de perda de potência de motor durante a prova e foi despencando no pelotão até cruzar em 14º.

Massa coloca pressão em Hamilton

E se engana quem achou que com Lewis na frente desde a primeira volta e Rosberg se arrastando na pista a corrida perderia em emoção. E o responsável para injetar uma dose de adrenalina na prova foi Felipe Massa. O brasileiro chegou a liderar em duas ocasiões antes de suas paradas nos boxes e nas voltas finais apostou em uma tática diferente para tentar a vitória. No fim, Massa ficou a apenas 2s5 de Hamilton, cruzando a linha de chegada e um honroso segundo lugar, sua melhor colocação desde o GP do Japão de 2012. Seu companheiro de Williams, Valtteri Bottas terminou em terceiro, colocando dois pilotos do time no pódio pela primeira vez desde o GP de Mônaco de 2005.

Parabéns do Príncipe e beijinho da namorada Nicole


Pelo rádio, Hamilton recebeu os parabéns do Príncipe Harry, quarto na linha sucessória da coroa britânica. "Você é uma lenda", disse o monarca. E é fato. Com a conquista, o inglês entrou no hall dos bicampeões mundiais, se equiparando a gigantes como Alberto Ascari, Jim Clark, Graham Hill, Emerson Fittipaldi, Mika Hakkinen e Fernando Alonso.

E para alegria da Família Real, Hamilton comemorou a conquista empunhando uma bandeira do Reino Unido. Em seguida, deu "zerinhos". Ao voltar aos boxes, subiu no carro e, ainda de capacete, ganhou um beijo da namorada, a cantora Nicole Scherzinger. Depois, recebeu os cumprimentos do pai Anthony, do irmão Nicolas e dos membros da Mercedes. A noite vai ser longa nos Emirados Árabes.

Dia de despedidas para Vettel e Alonso

Além do bicampeonato de Hamilton, a corrida marcou as despedidas de Sebastian Vettel da RBR e de Fernando Alonso da Ferrari. Os dois, por acaso, chegaram a duelar nas voltas finais. O alemão tetracampeão, mesmo largando dos boxes em razão da desclassificação dos carros da RBR terminou em oitavo, logo à frente do espanhol bicampeão.

A prova pode ter representando também outro adeus, só que da Fórmula 1, de Jenson Button. O campeão de 2009, que pode perder lugar para Alonso na McLaren, foi um dos destaques da corrida, fechando em quinto, logo atrás do australiano Daniel Ricciardo, da RBR.

A corrida


Hamilton passa Rosberg na largada

A largada era o momento crucial da disputa pela taça. E foi nela que Hamilton fez a diferença. Tracionou melhor que o pole Rosberg e tomou a ponta. Um revés inesperado para o alemão, que pretendia usar a pole para segurar o concorrente e deixar os rivais entrarem na briga. Massa também largou bem e subiu de quarto para terceiro. Bottas, por outro lado, partiu muito mal e despencou para oitavo. Com isso, Button aparecia em quarto, seguido de Raikkonen, Alonso e Kvyat.

Na dianteira, Lewis logo abriu uma folgada distância de 1s5 para Nico nas primeiras voltas. Um pouco mais atrás, Alonso passava Kimi para assumir o quinto lugar, levando Kvyat junto com ele. Partindo dos boxes em razão da desclassificação no treino por irregularidades na RBR, Ricciardo e Vettel tinham dificuldades para superar os carros mais lentos no estreito circuito de Yas Marina.

Após dez voltas, Hamilton liderava a prova com 2s7 de vantagem sobre Rosberg. Em terceiro, Massa acompanhava a dupla das Flechas de Prata de perto e aparecia como o mais veloz da pista no momento. A pressão do brasileiro fez a Mercedes chamar o inglês para os boxes para trocar os pneus. O alemão fez seu pit stop na volta seguinte e retornou praticamente com a mesma distância para o concorrente. Sem ter parado ainda, Massa assumiu a liderança provisória. Depois do pit stop, Felipe voltou em terceiro, a 5s de Rosberg.

Na 15ª volta, Kvyat, que fazia boa prova, teve uma pane em sua STR e ficou atravessado na pista. Os fiscais agiram rápido e empurram o carro para uma área de escape, evitando a entrada de um safety car. Sem conseguir alcançar Hamilton, Rosberg foi orientado pelos engenheiros a procurar manter a distância para o companheiro e retardar a segunda parada nos boxes para tentar dar o “pulo do gato” através da estratégia.

Rosberg começa a enfrentar problemas

Porém, o alemão acabou se complicando ainda mais ao travar as rodas na volta 24 e deixar Lewis abrir 4s. Para piorar, pouco depois, Nico começou a perder potência no motor, mais precisamente em razão de um problema no sistema de recuperação de energia (ERS). Com isso, Massa começou a se aproximar. E na 27ª volta, o brasileiro engoliu o alemão na reta principal para assumir a segunda colocação.Nesse meio tempo, a Lotus de Maldonado ardia em chamas, sendo o venezuelano mais um a abandonar a prova.

E Massa começou a reduzir significativamente também a diferença para Hamilton. O brasileiro tirava de um a dois segundos por volta. Mas o britânico estava tranquilo, apenas administrando a potência do motor. Hamilton fez seu segundo pit stop na 32ª volta e retornou logo atrás de Rosberg, que só havia parado uma vez. E logo deixou o companheiro, que seguia sofrendo com problemas, para trás. Pouco depois, Nico ainda perderia o terceiro lugar para Bottas. Nesse momento, com um pit stop a menos, Massa voltava a aparecer na liderança.

E, definitivamente, nada dava certo para Rosberg. Em seu segundo pit stop, os mecânicos demoraram a fixar uma de suas rodas, e o fizeram perder ainda mais tempo nos boxes. Além disso, Nico ficava cada vez mais lento e via o título ficar cada vez mais longe. Sua última esperança era se segurar em quinto e torcer para que o Hamilton abandonasse. Mas na 40ª volta ele já se encontrava em sétimo, resultado que não lhe dava a taça nem com uma quebra do rival.

Massa ameaça vitória de Hamilton

Achando que Massa poderia surpreender e não parar mais até o fim, o inglês pediu autorização à equipe para acelerar novamente para buscar a vitória. O brasileiro, porém, foi para os boxes pouco depois, a 11 voltas do fim. Felipe colocou pneus supermacios e retornou 10s atrás de Hamilton. Com um ritmo forte, o piloto da Williams começou a tirar 1s por volta, ameaçando estragar a combinação perfeita de título com vitória para o britânico.

Enquanto isso, virando dez segundos mais lento que todos os demais pilotos, Nico já aparecia em 13º nas voltas finais. A Mercedes chegou a falar para o alemão recolher para os boxes, mas Rosberg pediu para pelo menos completar a corrida.

Lá na frente, Massa se aproximava cada vez mais do líder Hamilton. No fim, o britânico conseguiu administrar a vantagem e garantiu a vitória e o título. O brasileiro cruzou a linha de chegada a apenas 2s5 do vencedor. Bottas, Ricciardo, Button, Hulkenberg, Pérez, Vettel, Alonso e Raikkonen completaram os dez primeiros. Rosberg terminou apenas em 14º.



 

Clique aqui e curta o Portal Meio Norte no Facebook

 

Fonte: Globoesporte.com