Massa elogia talento de Hamilton, mas vê Rosberg forte psicologicamente

Massa elogia talento de Hamilton, mas vê Rosberg forte psicologicamente

A disputa pelo título do Mundial de pilotos da Fórmula 1 está polarizada em 2014 entre dois pilotos da mesma equipe, um já campeão mundial, o inglês Lewis Hamilton, e outro que busca a sua primeira conquista, o finlandês Nico Rosberg. A diferença entre os pilotos da Mercedes é de 11 pontos, com vantagem para Rosberg na liderança do campeonato. Fora da disputa, o brasileiro Felipe Massa, da Williams, elogia o talento de Hamilton, mas vê o finlandês mais forte psicologicamente.

- A gente não pode esquecer nunca o talento que tem o Hamilton, um dos pilotos mais talentosos da história da Fórmula 1 pelo jeito que ele pilota, pela velocidade que tem, é impressionante. Mas ele tem um problema, que é o lado técnico, de conseguir usar o carro da maneira perfeita o tempo todo. Se comparar o Hamilton com o Rosberg, o pneu dele sempre gasta mais rápido, o jeito de guiar é mais agressivo, e às vezes uma vitória não é a volta mais rápida que você faz na corrida ou na classificação, e sim do começo até o final da corrida - ressaltou.

Para demonstrar a forma distinta de pilotagem entre Hamilton e Rosberg, Massa voltou à sétima corrida da temporada, no circuito Gilles Villeneuve, no Canadá. Enquanto o finlandês foi o segundo colocado, Hamilton abandonou na volta 45, com problemas nos freios. - Eles tiveram problemas, por exemplo, no Canadá, e um chegou e o outro não. Sem dúvida o trabalho que o Rosberg fez para fazer o carro dele chegar foi muito bem feito, e foi muito inteligente.

Por outro lado, o Rosberg acabou entendendo que ele tem que jogar um pouco mais pondo pressão no Hamilton e pensando três vezes para arriscar. A gente não viu uma grande ultrapassagem dele ainda porque está pensando nos pontos, e acontece disso ser o caminho mais fácil para ganhar o campeonato. No lado psicológico, o Rosberg está melhor.

Felipe Massa ainda relembrou outras temporadas que demonstram a fragilidade emocional de Lewis Hamilton para definir o título, o que acontece nos seus dois primeiros anos na Fórmula 1, em 2007, quando perdeu a taça, e em 2008, quando a conquista veio na última volta depois de uma larga vantagem. - Se a gente voltar um pouco na história do Hamilton, no primeiro ano dele na Fórmula 1 perdeu o campeonato para o Kimi (Raikkonen) graças à cabeça dele. E quando estava disputando o campeonato comigo, no final, principalmente na última corrida, não usou a cabeça e fez muitas besteiras. Na pressão, ele acaba se descontrolando um pouco.

Fonte: Sport Tv