Botafogo é derrotado pelo Estudiantes por 2 a 0 e se complica na Copa Sul-Americana

No próximo dia 5 , brasileiros e argentinos voltam a se enfrentar, às 21h50m

Em epis?dio similar ao da trag?dia diante do River Plate, em 2007, o Botafogo foi ? Argentina, jogou grande parte da partida com um jogador a mais, desperdi?ou boas chances de abrir o placar e foi derrotado pela Copa Sul-Americana, nesta ter?a-feira. S? que dessa vez o rival foi o Estudiantes, que fez 2 a 0 enquanto estava em desvantagem num?rica no est?dio Ciudad de La Plata, gols de Boseli e Ver?n, e abriu boa vantagem em partida v?lida pelas quartas-de-final da competi??o.

No pr?ximo dia 5 de novembro, brasileiros e argentinos voltam a se enfrentar, ?s 21h50m, no Engenh?o, e o Botafogo precisa vencer por tr?s ou mais gols de diferen?a para seguir na competi??o. Vit?ria por 2 a 0 leva a partida para os p?naltis e qualquer outro placar d? a vaga ao Estudiantes. O vencedor do duelo encara quem levar a melhor na disputa entre Palmeiras e Argentinos Juniors.

No embalo dos cerca de 30 mil "albirojos" que cantavam na arquibancada, o Estudiantes de La Plata iniciou a partida a mil por hora. Marcando no campo de ataque e com a pegada t?pica do futebol argentino, o time da casa mantinha a posse de bola e dificultava a sa?da dos cariocas para o campo de ataque. A primeira conclus?o aconteceu aos 5 minutos, quando Ver?n cobrou falta da intermedi?ria, a zaga do Bota parou e Boseli girou para chutar no corpo de Castillo. A jogada foi uma mostra daquela que seria a principal arma dos argentinos: a efici?ncia de "La Brujita" Ver?n nas bolas paradas.

O Botafogo se aventurou no campo de ataque somente aos 12, com investidas de Z? Carlos, pelo lado esquerdo, sem sucesso. Tr?s minutos depois, por?m, uma boa chance. Troca de passes na entrada da ?rea e Diguinho rolou para T?lio, livre, chutar rasteiro da meia-lua. And?jar caiu no canto direito para ficar com a bola. Aos 17, foi a vez do pr?prio T?lio encontrar Triguinho passando em velocidade pela lateral esquerda. O camisa 6 buscou Wellington Paulista em jogada a?rea, mas o goleiro argentino mais uma vez mostrou seguran?a e fez a defesa.

A essa altura, o Botafogo j? era melhor em campo, e a situa??o ficou ainda mais favor?vel com a expuls?o de Alayes. O zagueiro do Estudiantes, que j? tinha recebido um cart?o aos 3 minutos por falta em Jorge Henrique sem bola, derrubou Wellington Paulista em contra-ataque e foi para o chuveiro mais cedo, aos 18. Estranhamente, a vantagem num?rica desorganizou o Glorioso, que dava espa?os no meio enquanto Ver?n cadenciava o jogo.

Aos 24 minutos, o craque do Estudiantes arriscou em cobran?a de falta de muito longe. Leandro Guerreiro esticou a perna e tirou a bola do caminho do gol. Na seq??ncia, escanteio cobrado e Boseli escorou de cabe?a para Guerreiro, mais uma vez, fazer o corte. Dois minutos depois, mais uma bola parada com Ver?n, que cobrou falta na ?rea para Galv?n dominar e ser desarmado por Triguinho.

Sem criatividade, o Estudiantes passou a se preocupar mais em irritar e tentar a expuls?o de um dos botafoguenses, em v?o. Ap?s muito perde e ganha no meio, Ben?tez encontrou Fern?ndez na ?rea aos 36. O atacante emendou bonito de primeira, mas errou o alvo.

A melhor chance da primeira etapa, entretanto, foi brasileira. Ver?n, logo ele, se enrolou todo no meio-campo e foi desarmado por Z? Carlos. O lance pegou a defesa do Estudiantes desprevenida e Jorge Henrique deixou Wellington Paulista livre, na frente de And?jar. O camisa 9 pedalou, driblou o goleiro, olhou para o gol e...chutou para fora. Inacredit?vel.

Desorganizado, o Botafogo se perde

O segundo tempo come?ou como o primeiro, mas com o Estudiantes muito mais efetivo. Al?m da forte pegada no meio, os argentinos mostravam objetividade e logo aos 13 segundos Galv?n arriscou do bico da ?rea e isolou. Aos 2 minutos, Ver?n nocauteou Leandro Guerreiro em cobran?a de falta. J? no minuto seguinte, Ben?tez levantou a bola na ?rea e Castillo foi obrigado a voar para evitar a cabe?ada de Boseli na pequena ?rea. A press?o continuou e aos 6 Fern?ndez fez o cruzamento perfeito e Angeleri, livre, escorou na rede pelo lado de fora.

Aos 11, o Botafogo n?o conseguiu segurar a press?o. Galv?n colocou a bola na ?rea, Andre Luis falhou feio e deu um escanteio de presente para o Estudiantes. Na cobran?a, o pr?prio Galv?n levantou no primeiro pau, Castillo saiu em falso e a bola sobrou livre para Mauro Boseli, sem marca??o, empurrar para o fundo das redes.

O gol desesperou o time carioca, que se mandava para o ataque sem a menor organiza??o e errava muitos passes. Sempre tranq?ilo, Ver?n era o maestro do Estudiantes e foi respons?vel por ampliar o placar aos 17. Cobran?a de falta curta, ningu?m do Botafogo marcou e o volante argentino olhou para o gol, ajeitou o corpo e soltou uma bomba no ?ngulo esquerdo de Castillo, gola?o: 2 a 0 no placar. Logo no minuto seguinte, T?lio perdeu a cabe?a ao receber falta n?o marcada de D?az, reclamou muito com Carlos Amarilla e foi expulso.

Com 10 contra 10, o Botafogo at? melhorou. Em campo no lugar de Diguinho, Z?rate perdeu boa chance aos 24, ao cabecear para a boa defesa de And?jar. Os cariocas seguiram buscando o ataque, mas apelavam para bolas al?adas na ?rea e eram facilmente desarmados pelos argentinos. A essa altura, o Estudiantes s? pensava em fazer valer do "toco y me voy", colocar o Botafogo na roda e ouvir os gritos de "ol?" das arquibancadas.

Fonte: Globo Esporte