Brasil segura a ansiedade em jogo, bate Itália e leva o tetracampeonato em Tóquio

Brasil segura a ansiedade em jogo, bate Itália e leva o tetracampeonato em Tóquio

Em um tie-break de tirar o fôlego, seleção brasileira finalmente conteve a ansiedade, voltou a jogar com agressividade e consolidou vitória por 3 a 2

Após marcar 25/22 nos dois primeiros sets do duelo contra a Itália pelo título da Copa dos Campeões, o Brasil parecia caminhar para uma vitória tranquila, garantindo o tetracampeonato na competição disputada em Tóquio. Mas, depois do drama vivido diante da Rússia, no dia anterior, a equipe comandada por Bernardinho não conseguiu esconder o abatimento e permitiu que os rivais italianos encostassem no placar. Em um tie-break de tirar o fôlego, a seleção brasileira finalmente conteve a ansiedade, voltou a jogar com agressividade e consolidou a vitória por 3 sets a 2, com parciais de 25/22, 25/22, 23/25, 20/25 e 15/11.

- Precisávamos muito desse título. Batemos na trave na Olimpíada, depois de novo na Liga Mundial desse ano, então era muito importante começar um ciclo olímpico com um título de peso como esse. Enfrentamos as melhores seleções do mundo e estamos muito felizes. Sinto que cada vez mais estou amadurecendo e o mais importante é que temos outros líderes em quadra. O Lucão também contagia o grupo, o Sidão tem esse papel e fico feliz por ver que os caras que estão chegando estão entendendo bem a filosofia de trabalho. Por isso tudo conseguimos conquistar esse título - comemorou Bruninho.



Mesmo diante da dramática virada da Rússia, o Brasil dependia apenas de qualquer vitória para assegurar o título, graças à liderança consistente na competição, com 10 pontos. Mas a Itália, que possuía oito, também entrou em quadra disposta a brigar pelo caneco do torneio, realizado desde 1993 e disputado em sistema de pontos corridos. Com o triunfo deste domingo, o Brasil foi a 12 pontos, enquanto a Itália chegou a nove.

Para desbancar os italianos, o Brasil contou com as atuações primordiais do oposto Wallace, maior pontuador da partida, com 28 pontos, e de Lucão, que marcou 21 e foi eleito como melhor jogador do confronto. Do lado adversário, o destaque ficou por conta do ponteiro Ivan Zaytsev, de origem russa, que anotou 27 pontos.

Após bater o Brasil, a Rússia venceu os Estados Unidos por 3 sets a 0 (29/27, 25/22 e 25/19) e garantiu o segundo lugar na competição. A Copa dos Campeões termina neste domingo, com Irã x Japão, às 7h10m.

Brasil quase decide título em 3 sets a 0

Com um ataque preciso pelo meio, o capitão Birarelli marcou o primeiro ponto do jogo e puxou um início acelerado da Itália. Ainda um pouco travado, o Brasil demorou para oferecer perigo real aos rivais. Lucarelli esbanjou agilidade para explorar o bloqueio italiano, mas a seleção adversária conseguia demonstrar mais vibração em quadra. A reação brasileira começou quando Lucão segurou o ataque de Filippo Lanza e deixou o placar empatado em 10 a 10.

A partir daí, a seleção comandada por Bernardinho se soltou e passou a impor pressão. A Itália sentiu a mudança e falhou na tentativa de encaixar uma sequência de saques. Com um ace de Lucão e o braço implacável de Wallace na saída de rede, o Brasil aproveitou a queda de desempenho do oponente para fechar o primeiro set em 25/22.

A vantagem no placar revigorou a postura do Brasil em quadra. Logo no início do segundo set, a seleção italiana se atrapalhou na recepção de um saque de Maurício e indicou que havia sentido o golpe da parcial anterior. Com um show de Lucão no contra-ataque, o time brasileiro deslanchou de vez e adotou um comportamento mais agressivo, condizente com o título que estava em jogo.

Uma série de levantamentos espetaculares de Maurício e Bruninho desconcertou ainda mais os italianos, que não conseguiram retomar a precisão no saque e na defesa. Para dificultar de vez o cenário para os adversários, o Brasil estabeleceu um bloqueio quase intransponível com Lucão e Evandro. Tanta eficiência fez com que o grupo de Bernardinho se descuidasse da recepção, e a Itália encontrou forças para diminuir a diferença no placar, que chegou a oito pontos, para apenas três.

As pancadas de Ivan Zaytsev, de origem russa, não deixaram dúvidas de que a Itália estava disposta a acabar com a festa antecipada do Brasil. Mas a seleção brasileira conseguiu neutralizar a reação italiana, e impediu que a tentativa de virada alterasse os rumos da partida. Lucão não titubeou quando teve a chance de mandar uma pancada no chão para fechar novamente em 25/22, deixando o Brasil a apenas um set do título.

Itália cresce e dificulta vida do Brasil

Com o tetracampeonato mais perto que nunca, a seleção voltou à quadra com pressa, e logo abriu três pontos de vantagem com o desempenho irretocável de Wallace. Mas os contra-ataques colocaram a Itália na frente do placar e conseguiram tirar a concentração do Brasil. A tentativa de desarticular o bloqueio italiano não surtiu efeito, e os brasileiros assistiram à ascensão dos adversários sem esboçar uma reação rápida.

Foi com o 19º ponto marcado por Wallace na partida que a seleção conseguiu chegar ao empate e resgatar a esperança de decidir o campeonato em sets diretos. Um levantamento certeiro de Raphael confirmou que o Brasil estava mesmo de volta ao jogo, mas a pressão em decidir rapidamente o confronto alterou os ânimos dos jogadores. Apoiada na força do saque de Baranowicz, a Itália se beneficiou de uma série de erros dos brasileiros para fechar o set a seu favor, por 25/23, e adiou o título.

Depois da reviravolta italiana, o Brasil sofreu um ?apagão? geral em seus fundamentos, principalmente bloqueio e recepção. Ao mesmo tempo, a Itália cresceu no saque e não tardou para despontar no placar. Lucarelli e Maurício erraram sequências importantes, e Wallace também entregou uma performance muito aquém da apresentada nas parciais anteriores. Para complicar a situação, Zaytsev aproveitou a queda brusca de rendimento do time de Bernardinho para consolidar mais uma vitória parcial da Itália, desta vez por 25/20, e aumentar o drama brasileiro.

Uma bola fora de Lucarelli no início do tie-break mostrou que a seleção estava tomada por uma ansiedade que poderia prejudicar a equipe no momento decisivo do campeonato. Mas três erros em sequência no saque da Itália deram abertura para que o Brasil pudesse finalmente recuperar a agressividade perdida nos dois sets anteriores. No tira-teima definitivo contra a seleção italiana, Wallace subiu na rede para impor o bloqueio, e Lucão disparou duas pancadas certeiras para marcar 15/11 e consolidar o quarto título brasileiro na Copa dos Campeões.

Fonte: G1