Briga entre Flamengo e Traffic pode até tirar Ronaldinho do time

O atraso no salário de Ronaldinho é só mais um elemento na história, que chegou a ter uma ameaça de rompimento na parceria.

A parceria costurada no começo do ano entre Flamengo, Traffic e Ronaldinho vive um momento conturbado. A relação entre elas já não é das melhores e o resultado pode ser até mesmo a saída do craque no fim do ano. O atraso no salário de Ronaldinho é só mais um elemento na história, que chegou a ter uma ameaça de rompimento na parceria por parte da Traffic, que até agora não conseguiu ter os lucros desejados. Já são R$ 10 milhões de prejuízo.


Briga entre Flamengo e Traffic pode até tirar Ronaldinho do time

O Flamengo se resguarda por ter um memorando assinado e está tranquilo em relação ao caso. Porém, a Traffic não gostou nem um pouco de não ter recebido um centavo sequer com o patrocinador master, que seria o principal retorno na parceria em conjunto com Ronaldinho. O clube assinou com a Procter & Gamble por intermédio da empresa de Ronaldo Fenômeno e a Traffic ficou a ver navios.

Outra fonte de renda para a empresa, prevista no acordo, também foi muito pouco explorada. Até agora, o clube não conseguiu fazer ações de marketing efetivas para lucrar com a imagem de R10.

A Traffic teve mudanças no comando. O presidente Julio Mariz deixou a empresa e o diretor executivo Fernando Gonçalves passou a ser o responsável pela condução do negócio. Ele chegou a ameaçar romper o acordo, mas o Flamengo não se intimidou e deu como resposta que se a empresa quisesse tomar uma decisão dessa teria de tomar providências na Justiça.

Cogitou-se até mesmo tentar vender o craque para reaver o dinheiro investido nele, mas novamente houve uma negativa por parte do Flamengo. Na última quinta, houve uma reunião entre os dirigentes e há a expectativa de que o acordo saia na segunda-feira.

Foi imposta por parte da empresa uma multa no contrato que, caso não consiga atingir um determinado valor com a exploração da marca Ronaldinho, o Fla teria de pagá-la. O Flamengo não concordou.

Fonte: lancenet