Carlos Alberto pode ir para o Avaí em troca do meia Marquinhos

Jogador, que foi afastado do Grêmio, pode ser moeda de troca para resolver a situação de Marquinhos

Afastado do Grêmio desde o fim de abril, o meia Carlos Alberto pode, enfim, definir seu futuro. O jogador pode ser utilizado como moeda de troca na negociação do clube gaúcho com o meia Marquinhos, do Avaí, e passaria a integrar o elenco da equipe catarinense.



A negociação triangular envolveu inicialmente a ida do centroavante Borges, ex-Grêmio, para o Santos. A compensação aceita pelos gaúchos para ceder o jogador aos paulistas é receber o meia Marquinhos, hoje no Avaí, que tem os direitos divididos de forma igual entre o Leão e o Peixe. Por Borges, o Grêmio receberá os 50% santistas. Falta, entretanto, definir se o Avaí receberá alguma compensação por abreviar o contrato do jogador - que atua na Ressacada por empréstimo até o final do ano. E a solução seria a cessão de Carlos Alberto para o time do técnico Silas.

O gerente de futebol do Avaí, o ex-zagueiro Mauro Galvão, não comentou a possibilidade da transferência, mas fez elogios ao camisa 19:

- Eu gosto dele. É um jogador que tem qualidade e personalidade. Teve alguns problemas agora no clube que passou, mas já tive contato direto com ele e me agrada como meia. É um atleta interessante que teve várias passagens muito boas no Porto e no próprio Vasco.

Carlos Alberto está com 26 anos, mas já tem um currículo extenso, com passagens também por Fluminense, Corinthians, Werder Bremen-ALE, São Paulo, e Botafogo. O jogador tem contrato com o Vasco até 2013, mas foi emprestado ao Grêmio até o fim deste ano. Após protagonizar algumas polêmicas, acabou afastado, mas ainda não houve acordo para a rescisão com o Tricolor. O envolvimento do atleta em problemas durante a carreira, no entanto, parece não incomodar Mauro Galvão:

- Carlos Alberto foi campeão em vários clubes. De repente em um clube como o Grêmio não deu. Será que o Carlos Alberto não joga mais? Não é bom jogador? Cada situação é diferente. Por isso futebol é tão apaixonante porque não tem uma lógica. Você traz um cara que é Seleção, mas ele pode não dar certo.

Fonte: Globo Esporte, www.globoesporte.com