Chefe da Ferrari defende Massa e compara situação atual à de 08

Felipe Massa vem tendo um começo de temporada ruim

O chefe da Ferrari, Stefano Domenicali, defendeu nesta terça-feira o piloto brasileiro Felipe Massa, que vem tendo um começo de temporada ruim, sem ter conseguido um ponto sequer em duas corridas, os Grandes Prêmios da Austrália e da Malásia.

"Não custa lembrar que há quatro anos, também após um GP da Malásia vencido por Kimi Raikkonen, então nosso piloto, Felipe estava mais ou menos na mesma situação que hoje. Nos jornais se falava de sua imediata substituição, mas ele soube reagir e melhorar graças à ajuda da equipe, e ganhou duas das três corridas seguintes", recordou Domenicali em declarações ao site da Ferrari.

"Nós sabemos como aquela temporada acabou, com o brasileiro perdendo o título mundial por segundos, e a Ferrari como campeã mundial de construtores pela 16ª vez", completou.

O chefe da equipe italiana exaltou ainda a força de vontade de Massa, que abriu mão de alguns momentos de folga para fazer acertos no carro visando o GP da China, no próximo dia 8.

"Felipe mudou seu programa e, ao invés de viajar ao Brasil para estar com sua família, estará em Maranello para trabalhar com os técnicos e analisar com calma todo o sucedido nas duas primeiras corridas, além de identificar o que lhe impediu de render como é capaz de fazer. Isto é o que é preciso fazer, e estamos preparados para ajudá-lo", afirmou o ferrarista.

Sobre a temporada da Ferrari, Domenicali afirmou que a escuderia, apesar da vitória do espanhol Fernando Alonso no Grande Prêmio da Malásia, tem que "seguir jogando no contra-ataque", fazendo uma comparação com o futebol.

"Com Fernando, o jogo no contra-ataque funcionou de forma perfeita. O gol em Sepang foi muito bonito. Temos que seguir jogando no contra-ataque. Não conseguimos com Felipe (Massa) e temos que fazer mais gols para fazer com que ele também esteja na melhor posição possível para pontuar", declarou Domenicalli, que minimizou o fato de Alonso liderar o campeonato, com 35 pontos.

"Ter Fernando como líder do Mundial não significa nada, porque não achamos que todos nossos problemas tenham desaparecido através de mágica. Vamos ter duas semanas para nos preparar para outra série de duas corridas seguidas, primeiro na China e depois no Bahrein, e as encararemos da mesma maneira que as da Austrália e Malásia", afirmou.

Fonte: Terra