Clássicos irão substituir discurso de entregas em "decisões"

Clássicos irão substituir discurso de entregas em "decisões"

Em 2010, São Paulo, Palmeiras, Flamengo e Vasco foram suspeitos de tentar prejudicar rivais

Um ano atrás, as manchetes envolvendo a reta final do Campeonato Brasileiro foram dominadas por dois temas polêmicos. As chamadas "malas brancas" e, especialmente, as entregadas de jogos com o objetivo de prejudicar um adversário regional. Em 2011, graças à rodada final praticamente inteira de clássicos, essas discussões sumiram da pauta nas entrevistas coletivas e deram lugar à possibilidade de um time, mesmo sem nenhum objetivo na tabela, impedir a alegria do grande rival.

Na rodada final, todos os times ainda "vivos" no Brasileirão terão de encarar pedreiras para alcançarem suas metas. Enquanto os adversários, que poderiam estar desinteressados, terão de buscar a vitória a todo custo. Na disputa do título, por exemplo, o Corinthians precisa ao menos empatar com o Palmeiras para ser campeão. E o Vasco, além de torcer pelo tropeço do rival no clássico paulista, precisa fazer sua parte e vencer o Flamengo.

Na briga pelas últimas vagas na Libertadores, vai se dar melhor quem, além de vencer um grande rival, contar com a ajuda de equipes para as quais o campeonato "já acabou", mas que tentarão encerrar o ano vencendo um rival. Nessa área da tabela, os confrontos decisivos são Vasco x Flamengo, Coritiba x Atlético-PR, Internacional x Grêmio, Figueirense x Avaí, São Paulo x Santos e Botafogo x Fluminense.

Há também aqueles que, além da alegria de encerrar o ano vencendo um clássico, podem sentir o gosto especial de rebaixar o maior rival. É o caso do Atlético-MG contra o Cruzeiro e do Coritiba contra o Atlético-PR. E, guardadas as devidas proporções de rivalidade, do Bahia contra o Ceará. Uma rodada, portanto, na qual "mala branca" nenhuma faria efeito. E na qual "entregar" simplesmente não é uma possibilidade.

Fonte: IG