Com um a menos, São Paulo empata e Avaí segue ameaçado

O pressionado interino Sergio Baresi teve que lidar com sérios desfalques para montar a defesa

Em jogo de baixíssimo nível técnico, São Paulo e Avaí empataram por 0 a 0 neste sábado em Florianópolis, para o lamento da torcida presente na fria Ressacada. O time paulista jogou com um atleta a menos desde 37min do primeiro tempo, quando Richarlyson foi expulso por ofender o árbitro. O juiz ainda se complicou na etapa complementar em mais lances.

O resultado mantém o Avaí na boca da zona do rebaixamento. A equipe catarinense está na 16ª colocação, e só não foi para entre os quatro últimos colocados porque o Atlético-GO perdeu por 3 a 2 para seu xará mineiro. Já o São Paulo fica na 11ª posição, com 35 pontos.

O pressionado interino Sergio Baresi teve que lidar com sérios desfalques para montar a defesa. Sem o suspenso Alex Silva e o lesionado Xandão, Renato Silva formou a zaga titular ao lado de Miranda. No meio de campo, Cléber Santana ganhou vaga ao lado de Rodrigo Souto, enquanto Richarlyson foi deslocado para a lateral esquerda.

O jogo

O jogo começou morno, com o Avaí pressionando a saída de bola do São Paulo. A equipe da casa tomava conta do jogo e, aos 3min, Robinho aproveitou sobra da zaga, chuta em cima da defesa e ganha o escanteio. Os catarinenses seguiram melhor e tiveram ótima oportunidade aos 9min. Cleber Santana perdeu a bola no meio de campo e Roberto chutou cruzado na sequência, mas Rogério Ceni fez boa defesa.

O São Paulo não era capaz de passar da linha do meio de campo. Isolado, Ricardo Oliveira era bem marcado pela defesa anfitriã. O Avaí comandava o jogo enquanto o time visitante apenas assistia. Aos 13min, Davi chutou de longe e Ceni agarrou. Seis minutos depois, Jeferson tabelou com Roberto e acertou o travessão adversário.

O time catarinense garantiu o jogo de ataque contra defesa, mas não acerta o último passe. Os zagueiros do São Paulo faziam um bom trabalho para desarmar na área, mas não eram capazes de ligar uma saída de bola. Aos 30min, Baresi precisou mudar o time uma vez que Cléber Santana se lesionou e deu lugar a Zé Vitor.

Aos 33min, o São Paulo teve sua primeira chance de gol, quando Lucas conseguiu bola pela esquerda, foi em direção à área e chutou fraco para a defesa de Zé Carlos, mesmo com Ricardo Oliveira dando boa opção a sua direita. Quatro minutos depois, o Avaí ligou contra-ataque, mas não conseguiu abrir o placar porque Patric chutou fácil, facilitando o trabalho de Ceni.

A situação do São Paulo ficou ainda mais complicada aos 37min, quando teve um jogador expulso. Rcharlyson levou a pior em disputa de bola, se irritou uma vez que a arbitragem não viu falta e ofendeu o juiz. Com um a menos, o time paulista arriscou alguns ataques, mas ainda foi ameaçado aos 46min. Davi carregou a bola pela esquerda e chutou fraco pela linha de fundo.

Erros dos times e da arbitragem

Após o intervalo, o treinador Edson dos Santos lançou o atacante Marcelinho no lugar do zagueiro Emerson para aproveitar a superioridade numérica do Avaí. Já o São Paulo voltou com Carlinhos Paraíba no lugar de Marlos, reforçando a marcação no lado esquerdo.

O início do segundo tempo viu um jogo truncado no meio de campo, com a equipe visitante marcando a saída de bola. Nenhuma equipe conseguia criar boas chances de gol, parando na defesa alheia e pecando na troca de passes.

O primeiro lance de perigo da etapa complementar saiu somente aos 22min. Roberto chutou cruzado e a bola ia passando por entre as pernas de Rogério Ceni, mas o goleiro se recuperou e defendeu com a mão esquerda. O Avaí passou a atacar mais e, após algumas vaias, passou a ser apoiado pela torcida.

Aos 33min, o São Paulo arriscou contra-ataque, mas Alício Pena Junior anotou falta no lance, impediu a jogada e deu cartão amarelo a Ricardo Oliveira. No minuto seguinte, o goleiro Zé Carlos se complicou e agarrou a bola fora da área, mas o árbitro não marcou a infração porque viu falta de Ricardo Oliveira na jogada.

A atuação do juiz irritava as duas equipes e o Avaí tinha oportunidades em bolas paradas. A defesa do São Paulo segurava bem os ataques, enquanto o setor ofensivo seguia sem inspiração. A última oportunidade veio com Dagoberto aos 48min, em chute de longe defendido por Zé Carlos. Ao fim, restaram as vaias da torcida na Ressacada.

Fonte: Terra, www.terra.com.br