Comissão reconhece erro contra o Vasco, mas descarta punir árbitro

Jorge Rabello, presidente da comissão de árbitros do Rio, lamenta erro de auxiliar de linha no Clássico dos Milhões

Ciente do erro na não marcação do gol assinalado pelo meio campo Douglas, no clássico entre Flamengo e Vasco, neste domingo, o presidente da comissão de arbitragem do Rio de Janeiro, Jorge Rabello, reconheceu a falha do auxiliar de linha Rodrigo Castanheira. No entanto, descartou qualquer punição no caso.


Comissão reconhece erro contra o Vasco, mas descarta punir árbitro

- Não vai haver punição. Se ele estava de frente para o lance e não marcou é porque não viu. Teria toda a liberdade para se comunicar com Eduardo Guimarães (juiz central) e confirmar o gol. Não há como se opor às imagens do replay. Infelizmente ele errou. Normal. Assim como o outro auxiliar de linha acertou ao marcar gol para o Flamengo no segundo tempo do jogo - afirmou, reiterando que a comunicação entre árbitros deve acontecer por meio de ponto eletrônico.

Rabello garantiu, também, que o caso será levado à equipe da comissão carioca de arbitragem para ser discutido na terça-feira. As imagens da partida, bem como as dos lances em questão, serão exibidas no encontro.

- Vamos analisar para aprimorarmos este recurso de juiz de linha. É uma experiência que temos desde 2008 e não há registros de um erro como este - comentou.

O erro despertou a revolta dos vascaínos durante a partida - cercaram o quinteto no intervalo, e Guiñazu recebeu cartão amarelo - e depois dela. O mais enfático foi Rodrigo Caetano, diretor executivo de futebol:

- Fica o sentimento de tristeza e decepção pelo que ocorreu. O Flamengo não tem nada a ver, mas o Vasco foi extremamente prejudicado por um erro que todas as TVs e fotos mostraram, um fato que vai correr o mundo. Mancha o campeonato e não vai ficar limitado ao território estadual, podem ter certeza. Poderia ter mudado a história do jogo. Como profissional, saio triste.

A arbitragem também foi motivo de insatisfação entre os rubro-negros. O goleiro Felipe alegou que a bola chutada por Fellipe Bastos no gol vascaíno desviou no braço de Edmílson. E o técnico Jayme de Almeida criticou o desempenho de Eduardo Cordeiro Guimarães no segundo tempo.

- Falar de árbitro é muito chato, mas tem que falar, não é? Infelizmente. Não vou ficar aqui denegrindo o profissional. Com todo respeito, o árbitro não tem qualidade para apitar um clássico. Se a bola entrou, é um erro que acontece, mas não pode ficar o segundo tempo compensando. O jogo fica uma droga. Se ele viu no intervalo que foi gol, não pode fazer mais nada.

Fonte: Extra