"Como não morri, o infarto só trouxe coisas boas", diz Casagrande

Walter Casagrande Júnior, aos 52 anos,afirma não ter medo de morrer

O ex-jogador e comentarista de futebol, Walter Casagrande Júnior, passou cinco dias internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital Total Cor, em São Paulo, depois de sofrer um infarto. Ele recebeu alta e agora diz que o infarto só 'trouxe coisas boas'.

Aos 52 anos, Walter Casagrande Júnior afirma não ter medo de morrer. "Não senti medo de morrer. Pelos sintomas, dava para perceber que não havia esse risco. Já passei por situações piores, quando tive as overdoses. Fiquei tranquilo e consciente, acompanhando os procedimentos dos médicos pelo monitor de vídeo", disse.

"Comecei a sentir dores no braço, no peito, nas costas e no pescoço. Pensei que algum nervo estivesse pinçando, inflamado, e queria fazer shiatsu. Como o desconforto aumentava, o Leonardo [filho dele] me levou ao hospital. Foi fundamental porque a rapidez no socorro impede a necrose do coração", completou. 

"Eu dormia pouco, fumava muito e também exagerava na bebida. Me convenci, há quatro meses, que precisava buscar ajuda, pois aquele estilo de vida era um fator de risco para um dependente químico. Foi aí que procurei suporte terapêutico e parei de beber", finalizou ao se referir a morte da mãe que o deixou muito abalado.

O infarto

No último dia 29, Casagrande foi internado para fazer desobstrução de artérias, mas o hospital não divulgou se o ex-jogador terá de colocar extent que é um equipamento para facilitar o fluxo de sangue dentro das veias.

Image title



Fonte: Com informações da FolhadeSãoPaulo