Coritiba vence, respira e complica Botafogo na luta pela libertadores

Coritiba vence, respira e complica Botafogo na luta pela libertadores

No Couto Pereira, anfitrião vence por 2 a 1 e depende de si na última rodada para fugir do rebaixamento. Alvinegro fica fora do G-4

Coritiba e Botafogo fizeram jogo com contornos de drama nas duas pontas da tabela. O time paranaense, na luta contra a degola, levou a melhor e terminou a rodada fora da zona de rebaixamento. A falha do seu jogador de seleção brasileira, o goleiro Jefferson, abriu caminho para a derrota por 2 a 1 - gols de Deivid, Alex e Bruno Mendes - que manteve o Botafogo fora da lista de classificados para a Libertadores de 2014. Os alvinegros agora aguardam o desfecho dos jogos Grêmio x Goiás e Santos x Atlético-PR, que começam às 19h30 (horário de Brasília), para saber quais serão suas chances de classificação na última rodada do Brasileiro, contra o Criciúma. O Coritiba, por sua vez, precisa somente de uma vitória fora de casa sobre o São Paulo no último jogo para respirar aliviado e não depender de ninguém.

O Botafogo entrou em campo com uniforme retrô com a assinatura de Nilton Santos em dourado no lado direito do peito, homenagem ao lateral-esquerdo chamado de "Enciclopédia do futebol" e morto na última semana. A camisa, listrada, deu lugar à preta já na execução do hino nacional no Couto Pereira. O uniforme de jogo veio com o número seis, usado pelo ídolo alvinegro, logo acima do escudo do clube, também em dourado. Antes do apito inicial, novamente o protesto do movimento Bom Senso FC, com os jogadores sentando no gramado por alguns segundos.

No início do jogo, Coritiba e Botafogo errava muitos passes e tinham certa dificuldade para organizar o jogo, com a bola trocando de equipe a todo momento. Mas o time carioca conseguiu, logo aos dois minutos, assustar o Coritiba. Gilberto recebeu na ponta direita e disparou. Houve desvio e Vanderlei foi obrigado a fazer grande defesa. Ambos os times jogavam com apenas um atacante enfiado entre os zagueiros - Elias, no lado alvinegro, e Deivid, entre os anfitriões. Dessa forma, a disputa no congestionado meio de campo era acirrada.

Com os dois times precisando do resultado, a vontade aos 14 minutos passou do ponto. Rafael Marques e Gil se chocaram, cabeça com cabeça. Os dois precisaram de atendimento para estancar sangramentos, Gil voltou para o jogo uma proteção verde e Rafael Marques com uma touca preta. Apesar da evidente vontade, ambas as equipes esbarravam em dificuldades na criação. Com erros de passe e pouca velocidade, os goleiros praticamente se tornaram espectadores. Nas raras possibilidades de chute a gol, faltava precisão, como no lance de Gabriel, aos 24 minutos, quando mirou a rede e acertou a lateral.

A partir daí, porém, o panorama começou a mudar. Seedorf venceu a marcação e invadiu a área paranaense. Bateu com muito perigo, mas para fora. Pouco depois, susto do outro lado. Boa tabela do Coritiba terminou com Carlinhos arrematando para grande defesa de Jefferson. Em escanteio, Dória também ameaçou no cabeceio. Passou perto. O empate sem gols no apito ao fim da etapa parecei ser um resultado provável. Mas Jefferson, goleiro da seleção brasileira, falhou. Aos 38 minutos, Deivid recebeu sozinho na área, cabeceou para o chão e a bola passou entre as pernas do camisa 1 alvinegro: 1 a 0 para o time da casa. O Coritiba ainda teria mais uma chance, com Alex, depois de boa jogada de Carlinhos, e, dessa vez, Jefferson apareceu muito bem para abafar a finalização.

- O Botafogo ataca, nós também. Temos de aproveitar o que surgir - limitou-se a dizer Alex ao deixar o gramado.

Rafael Marques lamentou o gol sofrido:

- A gente estava jogando bem, levamos o gol como não estamos acostumados a tomar. Agora é tentar melhorar no segundo tempo, empatar e tentar virar.

Mas nada mudou no começo na segunda etapa. O Coritiba, em vantagem, passou a cadenciar ainda mais o seu ritmo, o meio de campo seguiu congestionado, e o Botafogo seguiu com dificuldades na criação. Isso mudou aos 16 minutos, em jogada individual de Gabriel. Ele tirou a marcação, invadiu a área e tentou deslocar Vanderlei com um toque com o bico da chuteira. O goleiro alviverde fez grande defesa.

Oswaldo de Oliveira resolveu mudar o ataque. Elias, pouco acionado e inoperante na partida, foi substituído por Bruno Mendes. Não adiantou. Quem marcou foi Alex, depois de boa jogada de Deivid, que foi ao fundo e tocou por cima de Jefferson para o camisa 10, quase na marca do pênalti, bater para o gol vazio: 2 a 0.

O Botafogo passou a sentir a pressão e começou a tentar tocar a bola mais rapidamente, mas conseguia pouco mais do que chutes para Vanderlei rebater sem muita dificuldade, como o de Julio Cesar, aos 32 minutos. O Coritiba conseguia também explorar a vantagem na partida, ameaçando em contra-ataques. Aos 38, porém, o time carioca conseguiu diminuir com o ímpeto ofensivo do zagueiro Dória, que avançou pela ponta esquerda e achou Bruno Mendes na área para descontar: 2 a 1. O Botafogo teve uma grande chance em falta muito próxima à área, mas Seedorf e Julio Cesar optaram por uma cobrança desastrada em dois toques. No último lance do jogo, Jefferson, que falhou no primeiro gol, ainda fez milagre ao impedir o terceiro do Coritiba, em chance de Júlio César, de cabeça.

Fonte: GloboEsporte.com