Corinthians: Danilo relata dia de herói com festa de filho em casa

Corinthians: Danilo relata dia de herói com festa de filho em casa

Danilo relata dia de herói com festa de filho em casa

Imediatamente após marcar o gol do empate por 1 a 1 contra o Santos, que classificou o Corinthians de forma inédita à final da Copa Libertadores da América 2012, Danilo rejeitou o rótulo de herói e dividiu os méritos com os companheiros. No dia seguinte à partida, porém, ele não teve como fugir da idolatria dentro de casa, que partiu especialmente do filho mais novo: Davi, 2 anos.

Geralmente tranquilo, jeito que diz ter herdado da família da mãe, o mineiro de São Gotardo Danilo confessou haver tido uma noite "complicada para dormir" nesta quarta, logo depois da partida de volta da semifinal contra o Santos. "Com a adrenalina do jogo, foi difícil dormir bem", admitiu ele, que ao acordar encontrou-se com o filho eufórico.

"Eu acordei de manhã meu filho e o Davi já (estava) falando "papai gol", "papai gol". Acordei de manhã e tomei café com toda a família. Eles todos comemorando, isso é importante", afirmou o meia, que é casado com Mirian e ainda tem mais dois filhos: Matheus e Lucas. Pelo menos o atleta pôde descansar até a parte da tarde, quando fez trabalho regenerativo no Centro de Treinamento Joaquim Grava.

Questionado sobre o gol que empatou a partida com o Santos aos 2min do segundo tempo, Danilo voltou a minimizar o peso decisivo, apontando que "qualquer um que fizesse seria importante". Graças à vontade de Davi, porém, o jogador reconheceu ter visto o tento, feito após cobrança de falta de Alex, "várias vezes".

O gol não foi o primeiro decisivo do meia na Copa Libertadores. Em 2005, ele marcou três vezes na campanha do título do São Paulo, incluindo duas na semifinal, uma na partida de ida e outro na de volta, contra o River Plate.

"Isso é bom, o jogador tem que estar preparado para essas decisões, tranquilo, de cabeça boa, porque em um lance pode decidir uma partida, como foi", analisou, falando ainda sobre o passado são-paulino. "Na outra vez foi da mesma forma. Eram 30min do segundo tempo o jogo estava complicado. Se levasse um 0 a 0 para lá ia ser difícil. Graças a Deus fiz gol aqui e lá".

Em 2005, no Estádio do Morumbi, Danilo abriu o placar do jogo de ida contra o River aos 32min do segundo tempo, com um chute cruzado de fora da área. A partida terminaria 2 a 0 e a classificação seria garantida no embate de volta, no Monumental de Nuñez, quando o time paulista venceu por 3 a 2 de novo com um gol do meia - abrindo o placar de cabeça aos 11min do primeiro tempo.

Decisivo ou não, o mineiro vai seguir com o semblante tranquilo, característica de "natureza", conforme definiu. O jogador, 33 anos, conta com o passado vencedor como um trunfo a mais às vésperas de uma nova final da Libertadores, agora contra Boca Juniors ou Universidad de Chile. "Isso ajuda muito, a gente já passou por isso e sabe como é", afirmou ele, que também foi vice-campeão continental pelo São Paulo, em 2006.

Fonte: Terra