De "joelhos novos", Cesar Cielo busca terceiro título seguido nos 50m livre

De "joelhos novos", Cesar Cielo busca terceiro título seguido nos 50m livre

Bicampeão mundial testa recuperação após dez meses de tratamento intenso. Velocista brasileiro pode ser o primeiro tricampeão mundial da prova

Dez meses se passaram desde a cirurgia que daria a Cesar Cielo a "sobrevida" necessária para voltar ao alto do pódio dos 50m livre, após o bronze nos Jogos Olímpicos de Londres 2012. Durante todo esse período de recuperação da operação nos joelhos, paciência foi a palavra-chave. O velocista brasileiro, que desde criança briga contra o cronômetro, desta vez teve de reaprender a não ter pressa. Até chegar ao Mundial de Barcelona capaz de brigar por medalha, percorreu um longo caminho marcado por sessões diárias de fisioterapia e trabalhos específicos para a reconstrução dos músculos. O nadador e o grupo de profissionais que o acompanha nesse processo sabem que ainda é cedo para dizer que já está 100%. Mas a sonhada conquista do tricampeonato inédito dos 50m livre, no Mundial de Barcelona, neste sábado, pode ser um ótimo indício de que a reabilitação total está logo ali. A final será transmitida pelo SporTV a partir das 13h (horário de Brasília) e terá cobertura em Tempo Real no SporTV.com .

- Nesse campeonato ainda é muito precoce dizer que estamos vendo o Cesar 100%. Ele não está em seu 100%, apesar de o vermos ganhando. Ele pode fazer muito mais do que isso. Ainda tem alguns exercícios que a gente quer progredir. Mas, hoje, ele não tem mais uma limitação para competir. Ele está no caminho certo para disputar medalha em 2016 - disse Gustavo Magliocca, médico responsável pelo tratamento de Cielo.

Desde 2007, o brasileiro sofria com uma tendinopatia patelar nos dois joelhos. O esforço contínuo, em seguidas competições, foi piorando o problema ao longo dos anos. A dor era constante, e a lesão passou a ameaçar os treinamentos e as performances do nadador. O ápice foi em Londres 2012. Com dificuldades principalmente na hora da largada, o velocista percebeu que não havia outra saída a não ser a cirurgia se realmente quisesse continuar brigando com os mais rápidos do mundo. Em setembro do ano passado, a operação no tendão patelar foi realizada com sucesso.

- Ele tinha um desgaste crônico do tendão patelar. Esse desgaste gerava um processo inflamatório que incomodava bastante. Em Londres, perdeu muito a musculatura da perna em virtude desse processo inflamatório. Ele chegou a perder dois centímetros de circunferência em cada perna em um período de dez dias. A medida que o joelho inflamava, ele perdia a qualidade de saída. Uma saída que antes era a melhor do mundo acabou ficando muito igual a dos seus adversários - explicou Magliocca, que está acompanhando Cielo e os outros nadadores brasileiros em Barcelona.

No início, a recuperação foi lenta e delicada. Cielo precisou se afastar das piscinas e ficar sem fazer musculação. As sessões de fisioterapia diárias dominaram os seis primeiros meses do trabalho. Com exercícios específicos, a musculatura foi sendo reconstruída aos poucos e de acordo com as necessidades do nadador dentro da piscina.

- Tentamos construir meus músculos do jeito como eles seriam usados na água. Toda a temporada foi focada nisso. Estar aqui e ser campeão é um grande alívio - disse Cielo, após o ouro nos 50m borboleta.

Responsável por esse processo ao lado do fisioterapeuta Natan Cunha, o médico Gustavo Magliocca explicou como os músculos de Cielo estão sendo trabalhados para aguentar novamente a carga necessária.

- Eu preciso trabalhar esse músculo de duas formas. Uma dentro do comprimento normal dele e outra dentro do comprimento do gesto dele. Ele se aproxima e se afasta das fibras musculares. A gente tem que trabalhar isso dentro da necessidade do tendão. Na medida em que o tendão vai evoluindo, vou ganhando amplitude nessa musculatura. Eu coloco o Cesar na água e executo exercícios específicos justamente para o joelho dele ir se adaptando. Esse foi um processo que durou os primeiros seis meses. Depois, ele já estava apto a executar os movimentos nos comprimentos normais desse músculo. Agora, já estamos focando o rendimento.

Fonte: GloboEsporte