Defesa vacila, mas Real Madrid vence de virada: 3 a 2 sobre o Valladolid, fora de casa

Defesa vacila, mas Real Madrid vence de virada: 3 a 2 sobre o Valladolid, fora de casa

Alemão marca dois belos gols nos 3 a 2 sobre o Valladolid, fora de casa

Por pouco a defesa do Real Madrid não tratou de potencializar os tempos de crise. Mas quando se tem um elenco recheado de estrelas é sempre mais fácil superar as falhas e adversidades. Neste sábado, quem brilhou não foi Cristiano Ronaldo, como quase sempre de costume. Coadjuvante, o craque luso viu o meia Mesut Özil decidir e garantir a vitória por 3 a 2 sobre o Valladolid, de virada, no Estádio Municipal José Zorrilla, fora de casa, pela 15ª rodada do Campeonato Espanhol.

O camisa 10 alemão marcou dois gols. Dois belíssimos gols, diga-se. O primeiro após linda tabela com Benzema, que devolveu de calcanhar. O segundo, o da virada, veio através de uma perfeita cobrança de falta, já na etapa final. O próprio atacante francês abriu a contagem para os merengues, enquanto o angolano Manucho foi o grande destaque dos donos da casa.

O resultado manteve a equipe de José Mourinho e Kaká (que não saiu do banco de reservas) na terceira colocação, agora com 32 pontos. O Atlético de Madri, que enfrentará o Deportivo La Coruña no domingo, é o segundo, com 34. O Barcelona, adversário do Bétis no mesmo dia, lidera com folgas: 40 pontos. O Valladolid é o sétimo, com 21, mas deve cair de posição até o fim da rodada.

Quem é que sobe?

Por mais que a temporada seja de altos e baixos, o Real Madrid pode dizer que não via há tempos duas falhas tão clamorosas de sua defesa em tão pouco tempo. Com apenas a lateral esquerda desfalcada no setor (Coentrão e Marcelo estão machucados), a equipe merengue sofreu principalmente com um nome em especial: Mateus "Manucho" Gonçalves.

Angolano de 29 anos, Manucho tem em seu currículo uma passagem pelo Manchester United, em 2008. Foi ele o responsável por deixar o Valladolid duas vezes em vantagem no Estádio Municipal José Zorrilla. Ainda que com alguma contribuição dos adversários, é claro.

Os donos da casa abriram o placar aos sete minutos. Ebert cobrou escanteio, a bola desviou no meio do caminho e sobrou para Manucho, completamente livre, emendar para as redes. A resposta veio na sequência, aos 12, também com uma ajuda de Balenziaga. O defensor tocou fraco e viu Callejón apenas rolar para Benzema.

O Valladolid voltaria a ficar na frente aos 21 minutos - e novamente num escanteio cobrado por Ebert. Manucho subiu sozinho à frente de Sergio Ramos e cabeceou sem chances para Iker Casillas. O Real só não desceu para o vestiário perdendo por conta de um lampejo de brilhantismo de Özil e Benzema. Se Cristiano Ronaldo estava apagado, o meia alemão e o atacante francês fizeram linda tabela até que o camisa 10 completou.

Özil vira "com a mão"

Ainda que tenha arrancado o empate, Mourinho mostrou com uma substituição que não estava nada satisfeito com o desempenho merengue. Nacho, que atuava na lateral esquerda, saiu para a entrada de Di María. Como se supõe, a modificação deu uma nova cara ofensiva ao Real Madrid, que ao mesmo tempo ficou exposto e deixou sua dupla de zaga carregada, o que agravou com a entrada de Modric no lugar de Arbeloa.

Entre o lá e cá, quem se beneficiou foi o time visitante. Depois de ter um gol mal anulado, aos 20 minutos, quando Sergio Ramos marcou em condição legal, apareceu de novo a estrela de Özil. O alemão tomou a frente de Cristiano Ronaldo em cobrança de falta e acertou o ângulo de Dani Hernández. A bola ainda tocou no travessão antes de entrar. Um golaço que selou a virada e dias mais calmos para o Real.

Fonte: Globo Esporte