Demitido do Flamengo, Renato Abreu se emociona e diz que foi humilhado

O advogado de Renato Abreu vai cobrar do Flamengo cerca de R$ 3 milhões.

Demitido do Flamengo em junho, o meia Renato Abreu falou sobre o assunto pela primeira vez nesta segunda-feira, se defendeu e chegou a se emocionar, ficando com lágrimas nos olhos durante a entrevista. O meia de 35 anos confirmou que vai acionar o clube na Justiça buscando os seus direitos, disse ter sido humilhado com a forma que a diretoria anunciou a rescisão de contrato e que até hoje não entendeu os motivos da decisão.



"Meu advogado já falou com vocês, vou buscar tudo aquilo a que tenho direito. Fui humilhado, colocado como uma pessoa que eu nao sou. Foi passado para os 40 milhões de torcedores do Flamengo e para os outros também que eu sou briguento, arrumo confusão com treinador, jogadores, que eu sou mau-caráter. Isso eu nunca fui. Passaram a imagem de que eu sou um filho da p..., me desculpem. Isso eu não sou", disse o jogador, em uma longa entrevista coletiva realizada no condomínio onde mora, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

O advogado de Renato Abreu vai cobrar do Flamengo cerca de R$ 3 milhões, referentes ao valor dos últimos seis meses de contrato, mais danos morais. Há quase dois meses, o clube rubro-negro anunciou a saída do atleta em seu site na internet, mas no mesmo dia a assessoria de Renato soltou uma nota oficial demonstrando surpresa. Nesta segunda, ele contou que chorou ao ser informado da demissão e falou em desrespeito da diretoria flamenguista.

"Uma coisa triste, fiquei chateado. Chorei muito em casa, com minha família. Pelo carinho que tenho pelo Flamengo, desde que me acolheu em 2005. O respeito e a gratidão pelo clube e pela torcida são eternos.São anos de clube e em momento algum eu deixei de dar meu esforço e cumprir as regras. Você ser mandado embora de um clube, independente do trabalho, é normal. Não estando satisfeito, tendo algum atrito com alguém dentro do clube, é normal. Mas, do jeito que foi, achei de maneira desrespeitosa. Até agora, nem vocês sabem e nem eu sei o que realmente aconteceu", afirmou o meia.

Em entrevista recente, o presidente Eduardo Bandeira de Mello afirmou que o Fla agiu de forma correta com o meia e que a dispensa ocorreu por motivos técnicos. Porém, Renato Abreu voltou a se mostrar surpreso com a justificativa.

"Vi a declaração do presidente do Flamengo que foi por parte técnica. Como pode ser se até o momento eu era o vice-artilheiro do time? Sendo escalado como titular? Uma pessoa fala uma coisa, que foi pela expulsão, que brigou com o treinador, e o outro fala que foi parte técnica. Não teve liga isso", rebateu.

Durante a entrevista coletiva, os jornalistas questionaram Renato Abreu sobre possíveis motivos de sua demissão. Entre eles, estavam desentendimentos com Jorginho, treinador do Flamengo no primeiro semestre, e Mano Menezes, comandante atual e que chegou à Gávea pouco antes da dispensa do jogador. Também foi comentado sobre a expulsão diante do Náutico, ao tentar completar para o gol um cruzamento com a mão, e sobre o fato de ter tirado a camisa ao comemorar gol contra o Atlético-PR, o que gerou uma advertência do clube e do patrocinador. No entanto, Renato negou qualquer problema maior e não acredita que essas situações seriam suficientes para o fato de ter sido mandado embora.

"Foi especulada uma situação de boicotar trabalho de treinador. É so pensar na minha carreira e procurar analisar se tive algum problema, desrespeito com treinador dentro de clube. Se deixei de cumprir trabalho, cheguei atrasado, fiz algum tipo de panelinha. São coisas pequenas que aconteceram comigo dentro do clube, depois de seis anos poderiam chegar e falar "aconteceu isso, isso e isso".Tem gente que faz muito além disso e não acontece nada. Se for um gol de mão, ou tirar a camisa o motivo da demissão, o futebol vai acabar. Porque ali no calor da partida você não planeja", explicou o meia.

Renato Abreu foi contratado pelo Flamengo pela primeira vez em 2005, após deixar o Corinthians. Entre 2007 e 2010, defendeu o Al Nasr e o Al Shabab, ambos dos Emirados Árabes. No meio de 2010, voltou ao Rubro-Negro carioca. No total pelo Fla, o meia disputou 271 jogos e marcou 73 gols, tendo conquistado a Copa do Brasil de 2006 e os Campeonatos Cariocas de 2007 e 2011.

Fonte: msn