Dia do Paradesporto reúne 100 para-atletas no Clube dos Advogados em Teresina

Evento foi realizado em Teresina, em comemoração ao Dia Municipal da Pessoa com Deficiência, e serviu para mostrar a capacidade dessas pessoas na prática de esportes

Mais de 100 atletas com deficiência participaram do 1º Dia do Paradesporto, que aconteceu ontem (22), no Clube dos Advogados, em Teresina. O evento tem o objetivo de mostrar a capacidade das pessoas com deficiência na prática de esportes. Durante todo o dia foram desenvolvidas atividades de futebol, natação, capoeira e dominó, além de apresentações artísticas, culturais e premiação com troféus e medalhas aos vencedores.

Organizado pela Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência, a ação marcou as comemorações do Dia Municipal da Pessoa com Deficiência, comemorado no dia 22 de março. A presidente da Comissão, Justina Soares, explica que o evento foi planejado para celebrar as conquistas, principalmente o direito ao lazer, garantido pela Constituição “Nós planejamos o dia para dar destaque ao paradesporto, pois é uma forma de lazer e sabemos que várias pessoas com deficiência no Estado praticam, inclusive temos medalhistas. Então, queremos abrir os olhos de algumas empresas, trouxemos algumas instituições e secretarias. Dessa forma podemos juntar esforços para alcançar mais conquistas”, afirma.

O 1º Dia do Paradesporto nasceu da necessidade de dar condições às pessoas que estão se reabilitando em praticar um esporte além das sessões de reabilitação, que são feitas no Centro Integrado de Reabilitação. Além do CEIR, entidades como a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) e a Associação dos Cegos do Piauí (ACEPI) levaram atletas para competir e a Associação de Amigos dos Autistas (AMA) realizaram uma sessão de capoterapia.

A presidente ainda ressalta que as dificuldades enfrentadas pelas pessoas com deficiência ainda são grandes, principalmente de locomoção e alimentação. Por isso, é importante que as empresas e os órgãos públicos forneçam ajuda para facilitar a vida de quem possui alguma deficiência.
“Falta incentivo de tudo, se há dificuldade na saúde e na educação, imagine o lazer que não é nem mencionado.

Por isso, queremos mostrar que nossos campeões merecem incentivo, mesmo com tantas dificuldades temos grandes medalhistas, imagine com o estímulo”, ressalta Justina.

Para-atleta relata dificuldades de competir

Praticando natação há seis anos, a estudante Nayara Linhares, já acumula vários prêmios e medalhas na categoria. Para a jovem, o paradesporto ainda é desconhecido pela população, por isso, é complicado um atleta com deficiência iniciar o esporte e seguir competindo. Principalmente da dificuldade de locomoção e as necessidades de cada atleta.

“Apesar de termos bons resultados no esporte, ainda somos pouco divulgados. A maioria das pessoas acham que uma pessoa com deficiência não pode fazer mais nada, além de ficamos em casa trancados. Mas já temos atletas que se destacam em várias categorias, eu mesma já fui para as etapas regionais e passei para a nacional, mas não tinha como ir participar, pois a competição era no Sudeste do país. Em agosto estarei pela primeira vez competindo em uma nacional, em São Paulo, graças a um patrocinador”, revela.

Fotos: Victor Gabriel

 

Fonte: Rhauan Macedo