Duelo histórico entre Corinthians e Rogério Ceni esquenta clássico

Rogério Ceni, com quase mil jogos na carreira, construiu um duelo à parte com o Corinthians.

A rivalidade entre corintianos e são-paulinos, a mais aquecida atualmente em São Paulo, passa neste domingo, como poucas vezes na história, por um confronto entre um dos times e um jogador em especial.

Rogério Ceni, com quase mil jogos na carreira, construiu um duelo à parte com o Corinthians. Foi no maior rival são-paulino que ele marcou seu centésimo gol, feito não reconhecido pela IFFHS e pelos corintianos por contar dois gols em amistosos.



Caso marque neste domingo no reencontro com o Corinthians, Rogério completará cem gols em partidas oficiais, jogos de competição. Seria o segundo "gol centenário" no ano e no mesmo goleiro: Júlio César.

Na história do confronto Corinthians x Rogério, há muito equilíbrio, no entanto. Foram 19 triunfos corintianos e 17 do camisa 1 tricolor. Se Rogério fez o centésimo no rival, levou seu milésimo gol em 2009, quando Elias marcou em clássico no Paulista.

Ante as provocações são-paulinas pelo centésimo gol, gozação que agora é institucional e comercializada com o "DVD oficial do centenário", sites corintianos fazem as contas para ver quantos gols o alvinegro precisa marcar para anotar o centésimo tento em Rogério.

Faltam mais de duas dezenas de gols para o Corinthians "vingar" o centésimo, algo difícil de ser alcançado se o arqueiro são-paulino se aposentar no final de 2012, quando acaba seu contrato.

Rogério despontou ganhando a Copa São Paulo júnior num Pacaembu tomado por corintianos em 1993. No ano seguinte, com o "Expressinho", eliminou nos pênaltis o Corinthians da Copa Conmebol, um raro encontro internacional entre os times.

Perdeu, porém, a maioria das decisões contra o rival, tendo sofrido eliminações por diversas competições: Brasileiro, Copa do Brasil, Rio-São Paulo e Paulista. Tabu de quatro anos de um lado, tabu de quatro anos do outro lado, goleadas tanto a favor quanto contra.

O arqueiro levou 74 gols do Corinthians e marcou três no rival, sem contar disputa de pênaltis. Defendeu cinco vezes penalidade máxima cobrada por atletas corintianos, contando a disputa de pênaltis da Copa Conmebol --são 48 pênaltis defendidos num total de 193 cobranças.

O técnico Tite, aliás, perdeu o emprego em 2005 no Corinthians após Rogério defender pênalti de Coelho.

Fonte: Folha.com