Espanha sofre, mas bate África do Sul na prorrogação e acaba em terceiro lugar

Fúria começa atrás, vira no finzinho, mas sofre o empate nos acréscimos. Gol de Xabi Alonso no tempo-extra dá aos espanhóis despedida honrosa

Depois de perder para os Estados Unidos na semifinal, a badalada seleção espanhola por pouco não passou nova vergonha na Copa das Confederações . A primeira colocada no ranking da Fifa precisou ir à prorrogação para vencer a África do Sul por 3 a 2 e assegurar o terceiro lugar do torneio. Güiza (dois), pela Espanha, e Mphela (dois) fizeram os gols no tempo normal. Xabi Alonso marcou o gol da vitória espanhola na prorrogação disputada no estádio Royal Bafokeng, em Rustemburgo.

A partida foi cheia de emoção. O primeiro gol do jogo foi sul-africano, já aos 28 do segundo tempo. A Espanha virou com gols seguidos, aos 43 e 44. Mas a África do Sul voltou a empatar aos 48. Na prorrogação, as duas seleções tiveram chances, mas uma falta de Xabi Alonso selou o destino do jogo, o que não impediu que o time de Joel Santana saísse de campo de cabeça erguida.

O primeiro tempo foi burocrático por parte da Espanha. A Fúria pouco criou e ainda foi ameaçada pelos sul-africanos. O zagueirão Booth por duas vezes teve a chance de fazer 1 a 0. Primeiro, o camisa 14 completou um cruzamento e errou o alvo. Depois, Booth pegou rebote de chute de Tshabalala e voltou a mandar para fora.

Na segunda etapa, o técnico Vicente del Bosque trocou os atacantes Fernando Torres e David Villa por Dani Güiza e David Silva, aos 12 minutos. A nova força ofensiva fez a Fúria melhorar levemente. Os dois deram trabalho ao goleiro Khune, que fez boas defesas para manter o placar sem gols.

Joel Santana resolveu então ousar um pouco mais e lançou o atacante Mphela na vaga do meia Pienaar. Assim, a África do Sul chegou a seu gol aos 28 minutos. Após jogada bem tramada pela esquerda, Tshabalala foi ao fundo e cruzou rasteiro para Mphela conferir na pequena área.

No desespero, o técnico espanhol sacou o volante Sergio Busquets e lançou o atacante Llorente. A blitz da Espanha deu certo e o time virou o placar com dois gols no finzinho, aos 43 e aos 44, ambos com Dani Güiza. No primeiro, o atacante do Fenerbahçe recebeu na área, matou na barriga e soltou a bomba. No segundo, enganou a todos ao bater por cobertura, do bico direito da grande área, e acertar o ângulo de Khune.

Quando tudo levava a crer que os Bafana Bafana estavam mortos, o jogo teve mais um episódio inesperado. Aos 48 minutos, Mphela bateu falta da intermediária e acertou na gaveta, à direita de Casillas. Um golaço que levou a partida para a prorrogação.

No tempo-extra, a Espanha começou melhor, sufocando a África do Sul. Capdevila, em cruzamento da esquerda, acabou acertando o travessão de Khune. A resposta sul-africana aconteceu aos 8 minutos, com Mphela. O atacante recebeu passe em profundidade e entrou livre na área. O camisa 9 bateu rasteiro e Casillas fez grande defesa com o pé direito.

Ainda antes da virada de campo, a África do Sul teve nova chance de desempatar a partida, em chute cruzado de Parker, mas Casillas voou e fez novamente uma grande defesa.

Logo no início do segundo tempo da prorrogação, a Espanha conseguiu chegar ao gol da vitória. Xabi Alonso bateu falta da esquerda, procurando a cabeçada de Llorente. Ninguém tocou na bola, que acabou por entrar direto no canto esquerdo do goleiro Khune.

A África do Sul acusou o golpe e não conseguiu buscar novamente o empate. Os comandados de Joel chegaram a fazer uso de algumas jogadas ríspidas que não vinham sendo comuns no restante do jogo. No fim, a Espanha respirou aliviada e ficou com o terceiro lugar da Copa das Confederações.

Fonte: Globo Esporte