Estádios brasileiros terão "Big Brother" para conter baderna

Estádios brasileiros terão "Big Brother" para conter baderna

Ao entrar no estádio, torcedor estará sendo monitorado

A presença de baderneiros e cambistas nos estádios brasileiros tem tudo para ter vida curta nos próximos anos. É esse o grande serviço prestado por um sistema de monitoramento que já irá operar no Pacaembu e no Engenhão a partir de janeiro de 2011 e que pretende usar a tecnologia a favor da segurança. O produto, exposto na Soccerex Global Convention, feira de negócios de futebol realizada esta semana no Rio de Janeiro, é o que há de mais moderno para coibir atos ilegais.

Essa espécie de Big Brother funciona da seguinte forma: para adquirir ingressos, o torcedor precisará ter um cartão magnético onde será carregada a entrada ao estádio. Instranferível, a peça irá conter dados como o CPF do comprador, que precisará do cartão para acessar o estádio.

Ao se aproximar do local de acesso ao estádio, o torcedor estará sendo filmado com uma câmera de alta definição acoplada à catraca. Essa imagem será atrelada ao cadastro, já que ele precisará do cartão magnético para passar na roleta. Leitores de biometria, que identificam pontos específicos do rosto da pessoa, ajudarão a detectar aquele que emprestar seu cartão a alguém, o que é terminantemente proibido. Em uma nova tentativa, o torcedor pode ser barrado.

"O objetivo é monitorar tudo o que está acontecendo e aí fazer com que o torcedor se sinta supervisionado. As imagens serão armazenadas e ficarão disponíveis para as autoridades. A partir do momento que começa a ter mais dados, você tem total controle sobre os torcedores", explica Alexandre Mori, diretor da Axis, empresa que desenvolveu o produto em conjunto com a BWA.

Para que a ida ao estádio deixe de ser um sacrifício

Outra facilidade é que o fato de ter o cartão magnético irá condicionar o torcedor a comprar seu ingresso longe das apertadas bilheterias. Com ele, será possível adquirir a entrada ao estádio pela internet e em casas lotéricas, por exemplo, o que inibe a ação de cambistas.

Já se negocia para um futuro próximo outro avanço significativo: em vez de cartão magnético, o torcedor poderá fazer uso de seu próprio telefone celular. Após inserir um mecanismo no chip de seu aparelho, será possível comprar o ingresso por intermédio de uma ligação e acessar o estádio com o celular. A BWA informa que conversa com operadoras de telefonia para colocar isso em prática já em 2011.

Por ora, alguns setores do Engenhão e do Pacaembu receberão as catracas com câmeras de alta definição já no início do próximo ano. De forma gradual, todo o acesso aos dois estádios será absorvido por essa tecnologia de ponta, o que promete ser um soco no estômago de cambistas e baderneiros.

A BWA diz administrar 84% dos estádios do País e pretende levar esse recurso adiante. Para a Copa de 2014, já foi assegurado que o Castelão, em Fortaleza, fará uso do Big Brother a serviço do futebol.

Fonte: Terra, www.terra.com.br