Ex-morador de rua, massagista chega à seleção e revela ajuda de Felipão

Edmar Antônio da Silva, o Tita, é massagista do clube celeste há 13 anos e também foi chamado por Felipão.

No início da tarde desta quinta-feira quase todas as atenções no Cruzeiro ficaram concentradas no zagueiro Dedé, que foi convocado por Luiz Felipe Scolari para amistosos da seleção brasileira contra Coreia do Sul e Zâmbia, nos dias 12 e 15 de outubro, respectivamente. Porém, outro profissional do time mineiro também teve o que comemorar.

Edmar Antônio da Silva, o Tita, é massagista do clube celeste há 13 anos e também foi chamado por Felipão. A sua convocação foi tão festejada quanto a do zagueiro. Humilde, ele agradeceu a todos no clube, mas garantiu que não ficou surpreso com a novidade e arrancou gargalhadas dos jornalistas com frases de efeito e sua simplicidade.

"Agradecer o carinho, a convivência, tem um pouco de cada um de vocês, depois de 32 anos no futebol, ser lembrado pela seleção brasileira é um sonho de todos. É satisfatório, gratificante, vou dar o máximo de mim para ser lembrado para a Copa do Mundo", observou Tita bastante emocionado.

"Pensei que podia ser primeiro de abril, mas a gente está sempre preparado. Não pode deixar que as coisas peguem você de surpresa, tem que estar sempre preparado. Vou fazer o máximo para honrar o nome do clube, da minha família e do nosso estado. Eu sou mineiro, de Belo Horizonte, da Lagoinha, fui morador de rua, e ser lembrando pela seleção brasileira é muito importante", acrescentou o massagista.

Com 55 anos, Tita já passou por momentos de muita dificuldade em sua vida. Quando jovem, foi morador de rua, viveu em barracos de papelão e chegou a passar fome. Sem dinheiro, tinha que ficar catando os restos de comida em restaurantes populares. Apesar dos obstáculos, nunca optou pela criminalidade e acredita que foi recompensado por trilhar seu caminho com dignidade.

Além dos problemas financeiros, Tita também teve que superar outros traumas pessoais como a infertilidade de sua mulher, que tinha as trompas obstruídas. Porém, ela conseguiu engravidar e há 23 anos ele viu o nascimento de seu único filho, que ele garantiu ser o momento mais feliz de sua vida.

Então, na ocasião mais celebrada de sua carreira, Tita lembra com orgulho de seu passado e planeja conquistas ainda maiores. "O filme vem na minha cabeça, quando com oito anos cheguei na Lagoinha para engraxar sapato, com aperto, e estar chegando onde estou chegando. Eu tenho sonhos maiores, e é conquistar o Mundial, e oferecer para as crianças pobres, porque tem muitos que não ajudam e eu vou ajudar trazendo alegria", ressaltou.


Ex-morador de rua, massagista chega à seleção e revela ajuda de Felipão

Na seleção, Tita irá reencontrar Felipão, que foi marcante em sua vida. O técnico dirigiu o Cruzeiro entre 2000 e 2001 e ajudou o massagista a sair da favela. Á época, Tita morava na Vila São José, que foi demolida para a construção de um novo trecho da avenida Pedro II, na capital mineira. Um dia, o comandante foi dar uma carona para o massagista, que estava carregando uma pesada cesta básica fornecida pelo clube, e viu aonde o funcionário residia.

"Ele falou que massagista do clube dele não podia morar em um lugar daqueles. Aí, disse que se a gente ganhasse a [Campeonato] Sul-Minas ele me daria o bicho. A gente ganhou do Coritiba e ele tirou o bicho dele e me deu 18 mil reais, os jogadores inteiraram, sai da favela e comprei um apartamento", revelou Tita. Por causa disso, o massagista nutre um carinho especial e diz que o técnico não tem nada de "cabuloso". "Aquela carona de sargentão, ele não é sargento, é gente boa", afirmou.

Agora com essa grande oportunidade, o senhor, que não sucumbiu as dificuldades da vida e está cursando o quarto período de fisioterapia na faculdade Estácio de Sá para evoluir ainda mais na profissão, espera poder contribuir com a seleção, cavar o seu espaço e ser um dos integrantes da comissão técnica na Copa do Mundo de 2014.

"Meu objetivo é esse, vou trabalhar com afinco e dedicação, não quero derrubar ninguém. Estou indo lá para somar com eles, não sou calculadora, mas quero somar. Quero chegar lá e dar o máximo de mim para ser lembrado para a Copa do Mundo, vou me dedicar para segurar essa vaga e, se Deus quiser, ganhar o título", ressaltou Tita.

Fonte: UOL