Fabiana Murer perdeu a chance de bi no mundial, em salto com vara. Veja

Fabiana Murer sofreu para chegar à final do salto com vara no Mundial de Moscou, ao precisar saltar 3 vezes para conseguir ultrapassar marca de 4,55m.

Fabiana Murer sofreu para chegar à final do salto com vara no Mundial de Moscou, ao precisar saltar três vezes para conseguir ultrapassar a marca de 4,55 m. Na decisão, nesta terça-feira, Murer até melhorou, conseguiu passar de 4,65 m, mas falhou na altura seguinte (4,75 m) e foi eliminada antes mesmo da definição das medalhas - ficou em 5°. O ouro ficou com a dona da casa e recordista mundial, Yelena Isinbayeva, a única a saltar 4,89 m.

A brasileira, assim, perdeu a chance de levar o bi mundial na prova - venceu em Daegu, na Coreia do Sul, em 2011, quando saltou 4,85 m. É a segunda decepção seguida de Murer em grandes competições: nas Olimpíadas de Londres-2012, ela foi eliminada ainda nas classificatórias, quando desistiu de saltar em 4,55 m. Segundo ela, o vento impossibilitou com que tentasse "em segurança" ultrapassar a altura.

Em 2011, ela se tornou a primeira - e até hoje, única - brasileira dona de uma medalha de ouro em Mundiais de Atletismo. Para defender a conquista, começou a final pulando os saltos de 4,30 m e 4,45 m, entrando na prova diretamente no salto de 4,55 m.

"Fiz tudo que eu pude, mas não foi suficiente para medalha. Foi por muito pouco que não passei. Por isso fiquei bem chateada", declarou Murer, após a prova, ao canal SporTV.

Já Isinbayeva reconquistou o trono da modalidade: depois de decepcionar na decisão de Londres, venceu o ouro mundial depois de seis anos. Sua última conquista havia sido em 2007, em Osaka, no Japão.

A prova

Se nas eliminatórias Murer havia precisado de três tentativas, na final começou bem: sem dificuldades, passou de primeira, assim como a americana Jennifer Suhr, uma das favoritas, e melhor que a cubana Yarisley Silva, que precisou de duas tentativas.

Já Isinbayeva só começou a saltar em 4,65 m e falhou na primeira tentativa. Passou na segunda, mas ficou atrás de Murer, que acertou novamente de primeira.

Só que a altura seguinte se mostrou demais para Fabiana. A melhor marca da brasileira no ano é de 4,73 m e os dois centímetros além se mostraram intransponíveis.

"Peguei uma vara mais forte pra segunda tentativa, saltei mais alto. Só que no final tive um desequilíbrio para o lado. Não sei se sem esse desvio teria passado, não dá para saber. Talvez 5 cm mais perto (a vara, do corpo) teria dado certo", disse Murer, antes de chorar, durante entrevista ao SporTV.

Isinbayeva seguiu firme, ao lado da americana Jeniffer Suhr, da cubana Yarisley Silva e da alemã Silke Spiegelburg - esta foi a primeira a sair da prova depois de Fabiana, ao não passar 4,82 m.

Surh e Silva, por sua vez, não passaram de 4,89 m. Apenas Isinbayeva conseguiu. E a russa pôde correr para a torcida de Moscou após o terceiro erro das adversárias - ela havia acertado de primeira sua tentativa.

Depois, foi hora do show: já com o ouro, Isinbayeva não deixou a torcida ir embora do estádio e tentou bater o recorde mundial, com a vara em 5,07 m - o recorde é de 5,06 m. Até chegou perto na segunda tentativa, mas não conseguiu. Não importava: ela, sorrindo, vibrou novamente com a torcida e com seu técnico, e com direito à abraço na mascote e até a "estrelas" na pista.

Fonte: UOL