Felipe Massa diz que tecnologia o salvou em acidente

Piloto contou que tecnologia atual salvou sua vida em acidente no GP da Hungria

Completamente recuperado de um grave acidente sofrido em julho do ano passado, Felipe Massa disse ao jornal inglês The Independent que o desfecho do ocorrido no último Grande Prêmio da Hungria poderia ter sido muito diferente caso tivesse acontecido no passado.

O piloto foi atingido por uma mola que se soltou do carro de Rubens Barrichello e perdeu o restante da temporada.

- Se meu acidente fosse há 10 anos, talvez eu não estaria aqui agora. A tecnologia que temos agora, o capacete, pode salvar sua vida. Passou muito perto, mas eu estou aqui. Depois de Ayrton Senna, tudo mudou.

Quando Senna morreu, durante o GP de San Marino de 1994, Massa tinha 13 anos. Na ocasião, o tricampeão mundial bateu fortemente após perder o controle do carro na curva Tamburello, quando foi atingido na cabeça por um fragmento da barra de suspensão de sua Williams.

- Estava vendo a corrida em casa e, quando vi a batida, não achei que fosse tão sério. Nós, brasileiros, perdemos um pedaço do país naquele dia. Lembro de ter visto o velório dele na TV, havia talvez um milhão de pessoas na rua... Teve um grande impacto em mim.

Massa contou que sua primeira lembrança de seu acidente é de 30 minutos depois de ter acordado no hospital. Ele revela que chegou a brigar com sua esposa porque queria voltar a correr logo.

- Depois, vi que era mais grave do que eu pensava. Mas eu nunca pensei em parar de competir.

O vice-campeão da temporada 2008 também lembrou a morte de Henry Surtees, filho do campeão mundial de 1964 John Surtees, que foi atingido na cabeça por um pneu durante uma prova de Fórmula 2 dias antes de seu acidente.

- Na época, eu disse para minha mulher "Olha o que aconteceu. É inacreditável. É com isto que você precisa se preocupar e não com um acidente no início de uma corrida, uma batida em outro carro... é com este tipo de acidente, pois o piloto não pode fazer nada". E uma semana depois, aconteceu comigo. É um risco.

Fonte: R7, www.r7.com