Feliz com vaga, Muricy elogia Ganso, mas diz: "Precisa ser mais constante"

"Entrou na área e quase fez o gol, mas tem de ser mais constante", afirmou o treinador sobre o meia, que voltou a ser titular nesta quarta, contra o C

O técnico Muricy Ramalho ficou satisfeito com a atuação do São Paulo na vitória por 3 a 0 sobre o CRB, nesta quarta-feira, no Pacaembu, pela segunda fase da Copa do Brasil. O resultado mantém o Tricolor na briga pelo inédito título.

O adversário sairá do confronto entre Bragantino e Figueirense, que só disputarão o segundo jogo no dia 23 de julho, em Santa Catarina. No jogo de ida, nesta quarta, vitória do Braga por 2 a 1.

Para Muricy, o mais importante é que o time criou muitas oportunidades de gol.

- O que me preocupa é quando não tem chances, como foi contra o Cruzeiro (1 a 1, dia 27 de abril), um jogo chato. Contra o Coritiba (2 a 2, domingo passado) tivemos chances. Hoje (nesta quarta), também. Poderíamos ter feito mais. Quando tem criação, ficamos contentes - afirmou.

O treinador também comentou a atuação do meia Paulo Henrique Ganso, que voltou a ser titular nesta quarta. Contra o Coritiba, ele iniciou no banco, entrou no segundo tempo e deixou o gramado criticando o esquema de Muricy.

- Da outra vez que jogamos sem o Ganso, também jogamos bem no primeiro tempo. Depois, ele entrou e deu passe para gol, é a qualidade dele. Só que eu ainda insisto que ele tem de chegar mais ao ataque. Hoje, entrou na área, quase fez o gol. Tem de ser mais constante - explicou.

Confira a entrevista do treinador são-paulino

Reclamações de Luis Fabiano

- O Luis está calmo demais. Às vezes, o juiz começa a lembrar do tempo em que ele não fazia as coisas certas. Hoje, ele começou a inverter faltas, tudo era contra o Luis. Tem de fazer o mesmo com outros jogadores também. Meu trabalho no ano passado foi pegar no pé do Luis. Há muito tempo ele não é expulso. Ele está seguro do que está fazendo, correndo, ajudando. Reclamar, às vezes, não tem problema.

Pato fora contra o Corinthians

- O time está começando a acostumar se com ele. Os jogadores estão se entrosando. O que perde é o futebol, o Jadson também não pode jogar. Não temos tantos grandes jogadores e ainda não podem jogar. Quem for assistir ao jogo é que vai perder. São dois grandes jogadores.

Escolha da Arena Barueri para o clássico

- Achamos que o Corinthians joga demais aqui (no Pacaembu). O São Paulo também se dá bem lá.

Substituto do Pato

- Você (jornalista) está fazendo essa pergunta porque é seu trabalho. E eu não vou dar a resposta agora. Acabou o jogo agora, vou falar o time que vai jogar domingo? Não tem tendência, não tem nada.

Lucas Silva

- Ele ainda é um pouco verde, sentiu muito no primeiro tempo, marcando muito a bola. Nós orientamos isso. É um jogador de futuro. Precisamos de paciência, porque zagueiro é difícil de lançar. Ele está chamando a atenção há algum tempo e vem melhorando a cada dia. Tem personalidade, sai jogando e até abusa. Algumas coisas nós ainda temos de orientar. Tem um futuro enorme, mas não para agora. Domingo, nem no banco vai ficar.

Terceiro técnico com mais jogos no São Paulo

- Se o Telê está me vendo dar essa entrevista, ele deve estar muito orgulhoso, contente. O que ele pensava em fazer naquela época, de formar um treinador, acho que deu certo. Ele me ensinou bastante bem e estou dando a resposta, há 400 e poucos jogos (412). Não é fácil (alcançar isso) em time grande. É um orgulho. Acho que ele fez um bom técnico.

Os próximos 412

Acho que não vai dar (risos). Tive lado bom com o Telê, mas também tive o ruim. Isso aqui é muito pesado, desgastante, 24h, o estresse não é fácil. É perigoso isso aqui.

Fonte: Globo Esporte