Ferrari anuncia acerto com Fernando Alonso para três temporadas

A escuderia italiana também anunciou que o piloto reserva em 2010 será o italiano Giancarlo Fisichella

 A Ferrari anunciou nesta quarta-feira, em seu site oficial, o acerto com o piloto espanhol Fernando Alonso, atualmente na Renault, para as próximas três temporadas da F-1. Alonso fará dupla de pilotos com o brasileiro Felipe Massa, que está temporariamente afastado da categoria em função de um acidente sofrido nos treinos classificatórios do GP da Hungria, quando foi atingido na cabeça pela mola que se desprendeu da Brawn do brasileiro Rubens Barrichello.

A escuderia italiana também anunciou que o piloto reserva em 2010 será o italiano Giancarlo Fisichella, que atualmente substitui Massa enquanto o brasileiro se recupera do acidente. Com Massa e Alonso como pilotos para a próxima temporada, o finlandês Kimi Raikkonen deixará a escuderia italiana --seu destino deve ser a McLaren.

Raikkonen terá seu contrato com o time italiano, atualmente válido até o final 2010, rescindido. Por sua atual equipe, o finlandês conquistou o título do Mundial de Pilotos de 2007. Alonso é bicampeão mundial da principal categoria do automobilismo, em 2005 e 2006, ambas pela Renault. No ano seguinte, se transferiu para a McLaren, onde teve problemas de relacionamento com a chefia do time e com seu então companheiro, o inglês Lewis Hamilton. Em 2008, voltou para a equipe francesa.

"Estamos muito orgulhosos por receber em nosso time um outro campeão mundial, que já demostrou todo seu talento vencendo dois mundiais", disse Stefano Domenicali, chefe da Ferrari. Alonso deve receber cerca de 25 milhões de euros por ano --o mesmo que Raikkonen recebia e bem mais do que os estimados 8 milhões de euros que Massa ganha.

Parte deve ser pago pelo banco Santander, patrocinador da Ferrari a partir de 2010. Segundo o jornal italiano "Gazzetta dello Sport", Alonso já trabalha com a Ferrari nas dimensões do cockpit que usará e teria pedido a contratação de seus engenheiros favoritos da Red Bull, da McLaren e da Renault.

Alonso faz campanha modesta na atual temporada da F-1 e ocupa apenas a oitava colocação do Mundial de Pilotos, com 26 pontos. O líder, o inglês Jenson Button, tem 84. Barrichello na Williams A ida de Alonso para a Ferrari será fundamental para destravar o mercado de pilotos da F-1.

O destino de Raikkonen deve mesmo ser a McLaren, mas existe um obstáculo para isso que é a oposição de Hamilton e seu pai, Anthony. A dupla prefere um companheiro de equipe menos competitivo para não haver disputa interna e, por isso, faz campanha pela permanência de Heikki Kovalainen. Há ainda outro fator que pode atrapalhar a ida de Raikkonen para a McLaren.

O alemão Nico Rosberg, da Williams, já tem um pré-contrato com a também alemã Mercedes para a próxima temporada. Como a montadora é parceira da equipe inglesa, gostaria de que Rosberg corresse pela McLaren na temporada que vem, ao lado de Hamilton, seu amigo dos tempos de kart. Mas há um porém. A Mercedes ainda negocia a compra da Brawn GP, para quem fornece motores neste ano.

A eventual aquisição desagrada à McLaren, que afirma que seu acordo com a montadora veta qualquer compromisso parecido. Caso finalize a negociação com o time de Ross Brawn, o mais provável é que Rosberg se transfira para o time, possivelmente para o lugar de Rubens Barrichello. Jenson Button, líder do Mundial, apesar de não ter assinado sua renovação, está praticamente assegurado.

Já Barrichello afirma estar conversando com vários times. Mas seu destino deve ser a Williams, com quem as conversas estão mais adiantadas. Polêmica Recentemente, Alonso esteve no centro de uma polêmica envolvendo sua atual equipe, a Renault. O piloto brasileiro Nelsinho Piquet, seu ex-companheiro, denunciou que a equipe francesa o obrigou a forçar uma batida proposital no GP de Cingapura do ano passado para favorecer o espanhol, que acabou vencendo a prova.

Devido às acusações, que não foram contestadas pela Renault, a escuderia afastou seu diretor esportivo, Flavio Briatore, e o engenheiro Pat Symonds. O primeiro foi banido da F-1 pela FIA (Federação Internacional de Automobilismo), enquanto o segundo foi suspenso por cinco anos. Alonso e Nelsinho não foram punidos.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br