Flamengo dá início à série indigesta rumo à liderança do Brasileiro

Série indigesta no primeiro turno levantou dúvidas sobre o trabalho do técnico

O Flamengo inicia, neste domingo, às 16h (de Brasília), contra o Bahia, no Engenhão, uma sequência indigesta. A série de quatro jogos que começa nesta tarde desceu amarga para o clube rubro-negro, que empatou todas no primeiro turno, e o trabalho de Vanderlei Luxemburgo foi questionado na época. Agora, há cinco rodadas sem vencer, o time enfrentará Bahia, Corinthians e Atlético-PR, antes do clássico contra o arquirrival Botafogo, para tentar voltar ao topo da tabela.

Os pontos perdidos para o Bahia não foram digeridos até hoje por Vanderlei e pelos jogadores do Flamengo. Fora de casa, em Pituaçu, os cariocas venciam por 3 a 2 e administravam o resultado, mas cederam o empate no fim, depois de falha de Fernando, que caiu em desgraça e, desde então, sequer participa de coletivo.

"Nós temos que fazer o resultado pela nossa proposta de Libertadores e título. Se continuarmos com o percentual das últimas cinco rodadas (20%), não vamos chegar. Vamos cobrar de todo mundo. Faremos os pontos agora, que está tudo muito igual", disse Vanderlei.

Na semana que antecedeu o jogo contra o Corinthians, a comissão técnica e a diretoria do Flamengo foram criticadas por terem programado a despedida de Petkovic em um jogo tão importante. O empate por 1 a 1, no Engenhão, foi encarado como tropeço.

O 1 a 1 com o Atlético-PR, na rodada seguinte, na Arena da Baixada, foi um show de horrores. Embora o jogo fosse fora de casa, o time considerou o resultado como mais dois pontos perdidos, pois o adversário, até então, não havia sequer feito gol no Brasileiro.

O primeiro 0 a 0 da competição aconteceu no clássico entre Flamengo e Botafogo. A partir dali, o clube rubro-negro passou a ser rotulado como time que só empata. Apenas a goleada por 4 a 1 sobre o Atlético-MG, em seguida, foi capaz de baixar a poeira. Apesar das péssimas lembranças, Vanderlei afirma que confia no grupo de jogadores.

"Não me preocupo com o momento, sei que a equipe tem caixa para crescer. Ao mesmo tempo que esse time é experiente ele está se descobrindo. Achamos um modelo e tivemos que mudar. Desestruturou", analisou o treinador.

Fonte: Terra, www.terra.com.br