Fluminense bate o Goiás e se mantém líder

Há 13 partidas sem perder, o Flu igualou seu próprio recorde de invencibilidade na competição

Há quem chame de ?Muricybol?. Há quem chame de futebol de resultados. Mas todo mundo concorda que a estratégia é eficiente. Martelado pelo Goiás por quase todo o jogo, o Fluminense foi mortal nos contra-ataques e venceu a quinta partida consecutiva fora de casa nesta quarta-feira, no Serra Dourada. Com gols de Washington, Emerson e Marquinho, o Tricolor fez 3 a 0 no Esmeraldino diante de 10.467 torcedores, em partida válida pela 16ª rodada, e se manteve na liderança do Brasileirão.

Há 13 partidas sem perder, o Flu igualou seu próprio recorde de invencibilidade na competição, alcançado também em 2005, e chegou aos 36 pontos, cinco a mais que o vice-líder Corinthians, derrotado pelo Cruzeiro. No próximo domingo, a equipe encara o São Paulo, às 18h30m, no Maracanã, com os desfalques de Emerson e Gum, que receberam o terceiro cartão amarelo.

Já o Goiás segue sem vencer depois a Copa do Mundo e permanece na 19ª colocação, com 13 pontos. O próximo compromisso da equipe do Planalto Central é contra o Santos, sábado, às 18h30m, no Pacaembu.

Líder isolado do Brasileirão, com Deco pela primeira vez como titular e com maioria nas arquibancadas, o Fluminense começou a partida com amplo favoritismo. Mas como futebol é futebol, quem foi melhor na primeira etapa foi o Goiás, que só não abriu o placar pela má pontaria de Rafael Moura e o preciosismo do jovem Bernardo. O He-Man, por sinal, demonstrou muita vontade diante do ex-time e foi o jogador mais participativo dos 45 minutos iniciais.

Marcando forte no campo de ataque, o Tricolor começou bem a partida, forçou os zagueiros esmeraldinos a apelar para chutões e balançou as redes aos quatro minutos, em cabeçada de Emerson. O Sheik, no entanto, estava impedido, e o lance foi bem anulado por Leonardo Gaciba.

A ducha de água fria tirou um pouco do ímpeto ofensivo do Flu e, como os goianos erravam muitos passes e não eram felizes na ligação direta, o primeiro chute a gol aconteceu somente aos 20. Primeiro de muitos, por sinal. No lance, Everton Santos recebeu bom passe de Wendell e arrematou rente à trave de Fernando Henrique. Dois minutos depois, a jogada foi desenhada pelo lado esquerdo de ataque, com Júnior cruzando na medida para Rafael Moura, livre na pequena área, testar para fora.

Aproveitando-se dos avanços de Mariano, Júnior apareceu bem novamente aos 25. O cruzamento forte, porém, parou em FH. Em seguida, um lance inusitado por pouco não se transforma em golaço. Rafael Moura, também pela esquerda, driblou Diogo e tentou levantar na área de letra. A bola morreu na rede pelo lado de fora, por cima do gol tricolor.

E o bombardeio verde parecia não ter fim. Aos 32, Bernardo recebeu em boa condição na área e tentou colocar no ângulo, mas errou o alvo. Dois minutos depois, o próprio meia jogou a bola para o fundo das redes, de cabeça, mas estava impedido. Aos 36, nova oportunidade desperdiçada, com chute forte de dentro da área para defesa de Fernando Henrique.

Foi quando o Fluminense, enfim, acordou. Julio Cesar emendou de primeira lançamento de Emerson e Rafael Toloi, de carrinho, impediu o gol de Washington, colocando a bola para escanteio. Na cobrança, Diogo acertou um foguete de cabeça e parou na grande defesa de Harlei. O goleiro do Goiás apareceu bem novamente aos 40, ao desarmar o Coração Valente dentro da área.

Em ritmo mais lento que o restante do time, Deco estava apagado no jogo, mas apareceu bem aos 43, ao acertar lindo chute de fora da área com perigo. A pressão tricolor teve seu auge aos 44, quando Gum perdeu um gol incrível: Conca interceptou cobrança ruim de falta de Washington e serviu o zagueiro na pequena área. Sem goleiro, ele se atrapalhou no domínio e acertou Toloi na conclusão. Inacreditável.

Na volta para o segundo tempo, o Goiás acelerou o ritmo e impôs uma ?blitz? no campo ofensivo. Todo no ataque, o time do Planalto Central trocava passes de um lado para o outro. Faltava, no entanto, criatividade e a maioria das jogadas parava na zaga tricolor sem que sequer fossem concluídas. Tanto que a melhor oportunidade surgiu em um lance de azar de Gum, que desviou cobrança de falta e quase enganou Fernando Henrique, aos 12.

Bem postado na defesa, o Fluminense apostava nos contra-ataques. As primeiras tentativas não deram certo por Emerson ficar em impedimento. Quando acertou o tempo da jogada, no entanto, o Tricolor foi mortal. Aos 19, Conca serviu Deco em velocidade pela direita, o luso-brasileiro cruzou de primeira com estilo e achou Washington bem posicionado no meio da área. O Coração Valente escorou sem deixar a bola tocar o chão e abriu o placar: 1 a 0.

Atordoado, o Goiás se mandou de vez para o ataque e desperdiçou mais uma boa chance aos 23. Wellington Monteiro encontrou Júnior na área e o lateral rolou para Everton Santos. O atacante esmeraldino não demonstrou a mesma qualidade de Washington e chutou para fora. O castigo veio em seguida.

Aos 28, mais um contragolpe veloz e decisivo do Flu. Com espaço para pensar, Deco conduziu pelo meio e abriu a jogada para Mariano. O lateral-direito levantou a cabeça e cruzou rasteiro no segundo pau. Emerson, sozinho, tirou Harlei da jogada no domínio e empurrou para o fundo das redes.

Apesar da vantagem, o Tricolor teve o que lamentar. Gum e Emerson receberam o terceiro cartão amarelo e não enfrentam o São Paulo, domingo, no Maracanã. Já de olho no confronto contra os paulistas, Muricy trocou o Sheik por Marquinho nos minutos finais e foi feliz. Após lançamento longo, o apoiador tocou na saída de Harlei, pelo lado esquerdo de ataque, e definiu a goleada: 3 a 0.

Fonte: Globo Esporte, www.globoesporte.com