Fluminense goleia São Paulo e volta à liderança

O time carioca ficou com 65 pontos, garantiu matematicamente a vaga na Libertadores

Com os ouvidos no Barradão e os olhos na Arena Barueri, torcedores de Fluminense e São Paulo comemoraram juntos uma vitória carioca por 4 a 1 sobre os paulistas. Os visitantes celebraram a liderança, conquistada também graças ao tropeço do Corinhtians, e os torcedores paulistas vibraram com o prejuízo ao rival.

O time carioca ficou com 65 pontos, garantiu matematicamente a vaga na Libertadores e voltou à primeira posição porque o Timão empatou com o Vitória por 1 a 1 no Barradão, no mesmo horário, e encerrou a rodada coim 64 pontos. O São Paulo, com 51, deu adeus ao objetivo de se classificar para a Libertadores e agora vai comemorar a Copa do Brasil. Na próxima rodada, o São Paulo encara o Atlético-GO, no domingo, no Serra Dourada, e o Fluminense joga contra o Palmeiras na Fonte Luminosa, no mesmo dia.

Gum, de perto, e Viáfara, de longe, fazem a festa da Arena Barueri

O clima na Arena Barueri era de muita festa. Torcidas dos dois tricolores gritavam unidas contra o Corinthians, que entrava em campo aos mesmo tempo no Barradão para enfrentar o Vitória. Os paulistas pediam para o time entregar o jogo e dificultar a vida do rival na busca do título. Os são-paulinos também exaltaram Muricy Ramalho, que foi tricampeão nacional pela equipe. O carinho foi muito grande, e o técnico do Flu foi ao banco adversário cumprimentar os ex-companheiros de comissão técnica e jogadores.

Se as duas torcidas bradavam pelo triunfo do Fluminense, os jogadores do São Paulo seguiam garantindo que iam buscar a vitória, pois o time ainda tinha chances matemáticas, mesmo que remotas, de tentar uma vaga na Libertadores. Mas, com a bola rolando, o visitante tinha as melhores chances. No primeiros dez minutos, nenhuma chegada do anfitrião ao gol de Ricardo Berna. Em contrapartida, Washington, que também passou pelo clube paulista e chegou a ser vaiado pelos são-paulinos, duelou com Rogério Ceni em duas ocasiões. Na primeira, cabeceou por cima do travessão. E na segunda balançou a rede após um rebote do goleiro, mas estava impedido.

Carpegiani perdeu Miranda logo no início do jogo, sentindo dores no joelho direito. No Flu as coisas pareciam promissoras. Com Deco, Conca e Fred em campo, o time criava muito. Faltava apenas a precisão no arremate. Washington, há 13 jogos sem marcar, seguia tendo azar.

A primeira vez que o São Paulo apareceu na área carioca foi aos 17 minutos, quando Lucas carregou a bola e chutou de frente, mas fraco. Berna fez a defesa sem dificuldades. Mas o Flu seguia pressionando. Primeiro com Fred, que estourou o chute em cima de Alex Silva; depois com Deco, que soltou a bomba e assustou Ceni, mas mirou para fora.

A corda começou a apertar o pescoço do Fluminense quando, aos 20 minutos, no Barradão, Danilo fez 1 a 0 para o Corinthians. O resultado isolava parcialmente o líder, com 66 pontos. E o Tricolor carioca, que empatava com o paulista, ficava com 63. A pressão na Arena Barueri seguia sendo do Flu sobre o São Paulo, mas nada de gols. Apenas muitos chutes de longe e de primeira, demonstrando um pouco de afobação dos vice-líderes.

Washington, de novo, obrigou Ceni a fazer uma defesa com a ponta dos dedos, grudado na trave direita. As duas torcidas, esperando um gol do Fluminense, começaram a ficar impacientes com o 0 a 0. Mas, aos 35, o zagueiro Gum promoveu a celebração geral na Arena Barueri: de cabeça, ele colocou na rede: 1 a 0 para o visitante, que voltava a colar no Corinthians, agora com 65 pontos, contra 66 do Timão.

Quase que Lucas Gaúcho, com uma cabeçada na frente de Berna, acaba com a festa do Flu, aos 37. Mas o primeiro tempo terminou mesmo com a vantagem carioca no placar. E uma explosão de alegria nas arquibancadas. Afinal, o Vitória empatou de pênalti, com Viáfara, e o Corinthians regrediu na tabela, ficando com 64 pontos. O Fluminense, com 65, foi para o intervalo com a liderança provisória.

Sofrimento e festa tricolor para os dois lados

Quando Héber Roberto Lopes deu o início ao segundo tempo na Arena Barueri, o jogo no Barradão já estava rolando. Carpegiani tirou Marlos, que havia sido a surpresa na escalação, e colocou Ilsinho. O São Paulo apareceu na área de Berna, mas não aproveitou nenhuma chance. de frente para o gol, na meia-lua, Lucas furou no último lance. Com dificuldades para se reorganizar, o Fluminense ouvia impropérios de Muricy, que berrava na beira do campo. O treinador queria mais um gol.

Os jogadores até que tentaram atender o pedido "delicado" do professor. Aos seis, Washington deixou para Carlinhos, que cruzou para Fred, na pequena área, ver a bola bater na sua canela e subir. Um lance inacreditável, aos nove, levantou o estádio: sozinho na pequena área, com Ceni já conformado, Washington conseguiu colocar para fora e foi xingado por todo estádio!

Mas o São Paulo, em campo, estragou a festa nas arquibancadas aos dez, quando Jean cruzou e Lucas Gaúcho de letra, tentou marcar. Mas a bola ainda desviou em Gum, que havia sido o herói no primeiro tempo e viveu um momento de vilão: 1 a 1. O resultado devolvia a liderança ao Corinhtians, com 64 pontos, contra 63 do Fluminense.

Vaiado pelas duas torcidas, Washington deixou o campo para a entrada de Rodriguinho. As torcidas vibraram com o gol de Júnior no Barradão, mas foi marcado impedimento e o gol não valeu. Xandão, que havia entrado no lugar de Miranda, foi expulso por falta dura em Fred, e Carpegiani tirou Fernandão para colocar mais um zagueiro: Renato Silva.

Não demorou muito para o São Paulo perder outro jogador: Richarlyson reclamou com o árbitro e também tomou o vermelho direito. O São Paulo tinha nove em campo, e o Fluminense seguia perdendo uma chuva de gols.

O time das Laranjeiras abraçou o primeiro lugar novamente aos 29: Conca recebeu na área de Carlinhos e bateu no canto esquerdo de Ceni: 2 a 1, festa nas arquibancadas e Flu no topo, com 65 pontos, contra o Corinthians com 64. Alegria dos cariocas ficou completa, quando aos 32, Conca arriscou de fora. Ceni rebateu para frente e Fred aproveitou o rebote para marcar o terceiro: 3 a 1!

A torcida do São Paulo seguia exaltando Muricy Ramalho quando Conca, aos 43, chutou de longe, de pé cheio, para caracterizar a goleada: 4 a 1 para o Fluminense. E os torcedores são-paulinos, em tom debochados, cantavam: "não é mole não, até com esse timinho o Muricy é campeão". A torcida do Flu explodiu em alegria quando o jogo entre Corinthians e Vitória terminou mesmo empatado. A liderança estava nas mãos do Fluminense novamente.

Fonte: Terra, www.terra.com.br