Furacão e Fla empatam em Curitiba

O resultado, ruim para as duas equipes, faz o time carioca continuar na 11ª posição, agora com 31 pontos

O tabu continua. Em um jogo com poucas chances de gol, Flamengo e Atlético-PR empataram por 0 a 0 na tarde deste domingo, na Arena da Baixada, pela 23ª rodada do Brasileirão 2009. O time carioca continua sem conseguir vencer o Furacão dentro do moderno estádio paranaense. Além da fraca atuação das duas equipes, a partida foi marcada pelas expulsões do técnico atleticano Antônio Lopes no intervalo do jogo, e do volante flamenguista Williams, que recebeu cartão vermelho no segundo tempo.

O resultado, ruim para as duas equipes, faz o time carioca continuar na 11ª posição, agora com 31 pontos, a oito do G-4 e sete da zona de rebaixamento. Os paranaenses também estão estacionados na classificação: com 28, na 14ª colocação, a apenas quatro do Z-4.

As duas equipes voltam ao gramado na semana que vem, pela 24ª rodada. Enquanto o Flamengo recebe o Sport, às 18h30m (de Brasília), de sábado, no Maracanã, o Atlético visita o seu xará mineiro, domingo, também às 18h30m, no Mineirão.

ESCORREGÕES

O Furacão começou o jogo com velocidade, dando trabalho à defesa do Flamengo. Nos seis primeiros minutos, o time paranaense sofreu três faltas perto da área, levando perigo ao adversário na primeira delas. Alex Mineiro desviou de cabeça por cima do travessão de Bruno. Aos oito, Valencia arriscou bom chute de longe, mas o goleiro rubro-negro defendeu com facilidade. Aos 15, Marcinho se aproveitou de uma trombada no zagueiro Álvaro tocou para Alex Mineiro, livre, chutar forte. Bruno fez ótima defesa, evitando o gol do Furacão.

A partir daí, a partida diminuiu de ritmo. O estado irregular do gramado da Arena fez com que os jogadores escorregassem e errassem muitos passes. O lateral Everton, do Fla, chegou a trocar as chuteiras por um par de travas maiores. Só aos 30 minutos, o time carioca criou sua primeira boa oportunidade. Aírton fez jogada individual pela esquerda, entrou na área de cara para o goleiro Galatto, mas foi travado por Rhodolfo na hora do arremate final.

Aos 37, ao sair em uma bola lançada na área, o goleiro Bruno sentiu dores na coxa direita, e o jogo teve que ser interrompido para que ele fosse atendido. O Flamengo voltou a fazer uma boa jogada aos 40, com Denis Marques indo à ponta direita e cruzando para Zé Roberto, que acabou errando o passe. Mas o primeiro e único chute dos cariocas que realmente passou perto do gol só aconteceu aos 45, com Denis Marques. E mais uma vez a bola desviou em Rhodolfo, passando rente à trave direita de Galatto.

LOPES E WILLIAMS EXPULSOS

A volta do intervalo foi tensa para a equipe da casa. O assistente Altemir Hausmann relatou ao árbitro Leandro Vuaden que foi intimidado pelo técnico Antônio Lopes nos minutos finais da primeira etapa. Por isso, o treinador do Atlético foi expulso no retorno dos times ao gramado. Indignado, Lopes reclamou bastante e, antes de sair de campo acompanhado de força policial, chamou o bandeira de "indigno". O técnico alegou ter sido agredido e prometeu registrar queixa (assista ao vídeo).

Dentro do campo, no entanto, o Furacão comandado pelo filho e auxiliar do treinador, Lopes Júnior, dominou os primeiros minutos do segundo tempo. Aos dez minutos, Márcio Azevedo fez boa jogada e chutou cruzado à esquerda do gol do Fla. Aos 18, o lateral-esquerdo do Furacão lançou com perigo para Paulo Baier, que além de impedido, ainda tentou escorar com a mão.

Depois do treinador do Furacão, foi a vez de o volante Wiiliams perder a cabeça. Após sofrer uma falta de Márcio Azevedo, o jogador do Flamengo deixou o braço no rosto do adversário. Como já tinha amarelo, acabou expulso de campo. Irritado, Williams, que já tinha sido alertado por Léo Moura do risco que corria de levar um vermelho, tomou uma bronca do camisa 2 antes de deixar o campo.

Mesmo com um a mais, o Atlético encontrou dificuldades para acertar uma jogada de ataque, errando muitos passes. Do outro lado, o Flamengo até conseguiu acertar a defesa, mas não conseguia encaixar um contra-ataque.

Fonte: Globo Esporte, www.globoesporte.com