Chile passa por sufoco, mas bate Equador na estreia da Copa América

Com a vitória, o Chile já começa na liderança do Grupo A,

Mesmo com dificuldades, o Chile venceu o Equador por 2 a 0 no Estádio Nacional, em Santiago, na estreia da Copa América. Vidal abriu a contagem e Vargas completou o marcador.

 Com a vitória, o Chile já começa na liderança do Grupo A, que, além do Equador, ainda possui México e Bolívia. As duas outras equipes jogam nesta sexta-feira, em Viña del Mar, às 20h30 (de Brasília).

Na próxima rodada, os donos da casa enfrentam o México, segunda-feira, às 20h30. Já os equatorianos pegam os bolivianos, no mesmo dia, mas mais cedo, às 18h.Com força máxima, os donos da casa começaram sufocando o Equador e por muito pouco não abriram grande vantagem nos primeiros minutos de jogo.

Em apenas três minutos, Valdivia conseguiu acertar duas boas assistências para Alexis Sánchez, mas o atacante do Arsenal bateu a primeira para fora e parou no goleiro rival na segunda oportunidade.

O Equador conseguiu assustar na metade do primeiro tempo, também em duas chances perigosas e seguidas. Na melhor, Martínez parou em ótima defesa de Claudio Bravo, chileno que defende as cores do Barcelona. Depois, sem conseguir manter o ritmo do começo, o Chile retomou o controle da partida e teve mais uma oportunidade, mas Sánchez novamente bateu para fora. Insatisfeito com o desempenho de Beausejour, Jorge Sampaoli apostou na entrada de Vargas para explorar a velocidade do atacante conhecido pelo torcedor brasileiro.

A alteração não surtiu muito efeito, e o Chile continuou dependente das jogadas individuais de Sánchez e enfiadas de Valdivia. O camisa 10 palmeirense até conseguia conectar bons passes, mas o atacante do Arsenal abusava da individualidade e desperdiçava boas oportunidades. O primeiro gol saiu graças a um pênalti sofrido por Arturo Vidal. O meio-campista invadiu a área pela direita e foi puxado de forma infantil pelo atacante Bolaños, que tentava ajudar a defesa. Bem posicionado, o árbitro não teve dúvida: bola na marca da cal. O próprio Vidal chamou a responsabilidade e cobrou com categoria, sem chances para o goleiro Domínguez.

O gol animou os torcedores chilenos. Pensando na condição física, Sampaoli tirou Valdivia e optou pela entrada de Matías Fernandez. Com dificuldade para infiltrar na defesa adversário, o Chile começou a sofrer no sistema defensivo e por pouco não sofreu o empate: após cruzamento, Valencia carimbou o travessão de Bravo. Quando a partida parecia se encaminhar para um sofrimento aos donos da casa, Vargas aproveitou bom passe de Sánchez e deu números finais ao marcador.


Image title

Image title

Image title

Image title

Fonte: Terra