Jiu-jítsu transforma realidades de crianças e jovens em Timon

Estão sendo assistidas 20 crianças dos Bairros Marimar

O esporte é o caminho salutar para um desenvolvimento social, psíquico e cognitivo de jovens, sendo indispensável em uma formação plena de cidadão.

E com essa premissa, a Guarda Municipal de Timon, junto com a Associação de Moradores local, vem transformando a realidade de 20 crianças dos Bairros Marimar, Joaquim Pedreira e Pedro Ceará através do jiu-jítsu.

“Esta é uma parceria da Guarda Municipal com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (SEMDES), voltado para crianças de comunidades carentes.

Resolvemos iniciar por essas comunidades, em um projeto piloto no Bairro Marimar, com o Cras local, com crianças de seis a 12 anos”, explica o comandante Thiago Jared.

Para desenvolver as atividades, a associação dos moradores prestou apoio ao projeto piloto, desenvolvido pela Guarda Municipal, que propicia aulas da arte marcial sempre aos dias pares da semana.

“A associação dos moradores nos ofereceu o espaço para as atividades, e esse projeto funciona durante três dias da semana, segunda quarta e sexta”, explica Jared.

Além de afastar os jovens da ociosidade, o esporte contribui para a disciplina. “As drogas e violência estão causando problemas. Com o esporte, evitamos que crianças e adolescentes se afastem do ilícito.

Esporte é inclusão social, mas nem todo filho de pobre tem acesso. Por isso precisamos de um projeto desta magnitude, até porque o jiu-jitsu melhora o comportamento na escola e em casa, pois valoriza a disciplina”, considera o comandante.

E a vontade da Guarda Municipal é transformar a iniciativa em uma grande ação que aconteça em mais bairros. “Queremos ampliar para outras comunidades, inclusive pretendemos incluir na sede da guarda as atividades, para que essa comunidade também seja assistida”, finaliza Thiago Jared.

O esporte contribui para mudar vidas

O poder de ações como essa é rapidamente percebido, como é o caso do menino Allison Portela, de 10 anos, que antes da prática do esporte era assistido pelo Caps infantil.

"Soube através do Cras desse projeto, incluí meu filho que é hiperativo e em pouco tempo ele teve alta do Caps, não toma mais remédios e está mais obediente. Estou muito feliz em ver meu filho saudável", comemorou a mãe Raquel Portela.

As crianças que atualmente participam foram selecionadas através do Cras Marimar, que realizou a busca ativa, por meio do serviço de convivência e fortalecimento de vínculos da SEMDES em parceria com a Secretaria Municipal de Educação.

"Estamos registrando as demandas, pois o projeto deu tão certo, que tem muita gente à procura. Quem quiser basta vir aqui, no Cras Marimar na rua 1, número 723, sendo que a criança deve ter entre sete e 12 anos e a família já ser acompanhada pelo Cras", informa Teresa Castelo Branco, coordenadora.

Fonte: Pollyana Carvalho e Lucrécio Arrais