Marcão, treinador do Piauí, define seus jogadores como Guerreiros

A postura do time foi elogiada pelo treinador

Um ponto. Foi essa a diferença entre Piauí e 4 de Julho na classificação geral ao fim da quinta rodada do returno, e que determinou a queda da equipe colorada para a segunda divisão estadual. Depois de ver o River sair na frente do placar no Estádio Albertão, o Piauí conseguiu se salvar com um empate em 1 a 1 com o Galo. A postura do time foi elogiada pelo treinador Marcão.

“No início do ano montamos um time para a Copa do Nordeste e Copa do Brasil e nunca imaginamos passar por uma situação como essa. Mas o futebol tem dessas coisas. Os jogadores estão de parabéns por esse último jogo diante do River, que sabíamos que seria difícil”, disse o técnico.

Image title

Marcão revelou que a mudança de postura na equipe foi resultado de muita motivação nos treinos. “Durante a semana conversamos muito com os jogadores e sempre acreditamos no grupo. Os jogadores são fortes, guerreiros. Jogamos de igual para igual com o River, e o melhor foi o empate com sabor de vitória”.

O gol de Ítalo, aos 37 do segundo tempo, salvou o Enxuga Rato. O atacante en- trou ainda no primeiro tempo na vaga de Jeová Júnior e acabou decidindo a partida. “Mais do que ninguém, nós que vivemos o dia a dia do clube sabemos das dificuldades. Nosso time estava merecendo não uma vitória, mas um empate com sabor de vitória”.

E Ítalo ainda fez um desabafo, fazendo menção ao fato de que vários atletas optaram por deixar o time Rubro Anil antes da rodada decisiva. “Futebol profissional não é brincadeira, é coisa séria. Quem quis sair o fez porque não tinha coragem. Falei isso para alguns durante a semana. Não tenho medo e nem vergonha de falar nada”.

Com o fim da linha para o Piauí no Estadual de 2015, o atacante revelou ainda seus planos para o futuro. “Estou apalavrado com uma equipe da série D na região Sul e devo ir embora nesta semana”.

Flávio Araújo lamenta chances perdidas 

O desempenho do River no empate com o Piauí não agradou o treinador Flávio Araújo (foto). O comandante riverino viu o time cair de produção após abrir o placar e perder uma sequência de oportunidades no segundo tempo, abrindo espaço para o crescimento do adversário. Além disso, as falhas no toque de bola deixaram Flávio na bronca.

“Tivemos 12 minutos muito bons. Fizemos o gol e nada mais. Jogamos muito mal no resto do primeiro tempo, erramos 31 passes. No segundo tempo melhoramos um pouco, mas não foi o que a gente queria. Veio então o desperdício das oportunidades. Pode-se perder gols? Pode, mas não de forma bisonha. Não tivemos a vontade e a determinação para converter as jogadas em gol”, disse o treinador.

Questionado sobre o favoritismo riverino para a semifinal, o treinador recusou o rótulo. “O Caiçara é um grande time, está jogando um grande futebol, e será uma disputa pau a pau”, resumiu.

River e Caiçara jogam nesta quinta (28), às 20h, pela semifinal do segundo turno do Estadual. O Galo tem a vantagem do empate na prorrogação (caso haja) por ter melhor índice técnico.

Fonte: Dowglas Lima