Treinadores do River e Piauí sofrem com excesso de lesões em jogadores

Os dois são técnicos experientes, mas vêm sendo constantemente testados diante da falta de alternativas em alguns setores. Flávio Araújo está pensando no jogo contra o Fortaleza

Um se classificou para as semifinais do primeiro turno do estadual de forma tranquila, em primeiro lugar. O outro terminou em quarto, entrando na zona de classificação por conta do saldo de gols. Mas há uma coisa em comum entre River e Piauí: seus treinadores vêm enfrentando problemas para montar a equipe ideal por conta de lesões.

O problema já atormenta Flávio Araújo e Paulo Moroni há algum tempo. Os dois são técnicos experientes, mas vêm sendo constantemente testados diante da falta de alternativas em alguns setores.

O River esteve com o departamento médico lotado nos últimos dias. E na antevéspera da partida contra o Piauí pela quinta rodada do primeiro turno do estadual, mais problemas: Fabinho, peça essencial no esquema tático do Galo, sentiu um estiramento e não pôde ser utilizado.

Os problemas do elenco também preocupam o técnico do River, Flávio Araújo, também para o confronto contra o Fortaleza na quinta feira (16), jogo de volta da primeira fase da Copa do Brasil. “As lesões atrapalham muito. Contra o Piauí, tínhamos apenas dois atacantes entre os 18 relacionados: Lucas e Rhuann.

No departamento médico nós temos Eduardo, Fabinho e Netinho, além dos meias atacantes Léo Olinda e Luís Augusto. Mas a boa notícia é de que o Eduardo, o Léo e o Luís estão voltando agora, e vamos observá-los nesses dias que antecedem o jogo em Fortaleza para saber se poderemos aproveitá-los”, disse Flávio.

Paulo Moroni, treinador do Piauí, também falou sobre o problema no time rubro anil. “Nós temos feito muitas substituições por problemas de lesão, o que gera algumas dificuldades. Temos que adaptar jogadores em posições que não são as deles, o que não é fácil.

Alguns dos nossos jogadores estão se adaptando, e se cansam bastante em determinado momento do jogo. Isso complica na hora de montar uma estratégia. Mas o importante é que a classificação deu certo. Agora é aproveitar essa semana para preparar o time”.

As duas equipes voltarão a se enfrentar na próxima segunda-feira (20), às 20h, no estádio Albertão. Por conta do melhor índice técnico, o River tem a vantagem de jogar pelo empate na prorrogação. Sobre o duelo, os treinadores mantiveram o discurso de elogiar o adversário.

“Hoje o favorito, sem dúvidas, é o River. É a equipe mais bem estruturada, e não só no aspecto financeiro. Eles têm jogadores experientes e um grande treinador, que sabe trabalhar e conhece a competição”, disse Paulo Moroni. “A semifinal contra o Piauí será mais uma batalha, outro compromisso difícil contra uma equipe qualificada”, resumiu Flávio Araújo.

 

Fonte: Dowglas Lima