Presidente do Flamengo nega construção de estádio para o clube

Presidente do Flamengo nega construção de estádio para o clube


Presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello negou que construirá um novo estádio na Gávea para 40 mil pessoas, como especulado recentemente. De acordo com o mandatário, o time rubro-negro pensa apenas em uma solução provisória para que a sede da equipe possa ser utilizada para jogos na próxima temporada.

"Nós estamos nos movimentando para tentar encontrar uma solução que nos permita continuar no Rio de Janeiro. Como não vamos ter nem Maracanã nem Nilton Santos, temos que pensar em uma solução provisória. Aí uma das possíveis seria utilizar o espaço da Gávea. Mas nada do que foi anunciado de estádio para 40 mil, nada disso. E outras possibilidades podem ser estudadas”, comentou o presidente, à Rádio Bradesco Esportes. Em 2016, tanto Maracanã quanto Engenhão serão realocados para a Olimpíada, que ocorre em agosto. Flamengo, Fluminense e Botafogo ficaram “desalojados” e procuram uma solução rápida, já que a partir de janeiro não poderão utilizar os estádios. Sem prazo para encontrar uma solução, Eduardo Bandeira de Mello nega que a solução provisória possa se tornar fixa futuramente.

"A ideia é que seja só provisória. O que a gente vai fazer em caráter definitivo na Gávea é outra história que também demanda conversa com autoridades do Estado e município, sócios do Flamengo, nosso vizinhos da Lagoa e do Leblon. Por enquanto estamos falando de uma estrutura provisória que pode não ser nem na Gávea, pode ser em outro lugar se acharmos”, comentou. A tendência é que o Flamengo se mexa rapidamente para não ter que jogar no interior do Rio de Janeiro ou em outros Estados na próxima temporada.

Na Gávea, a intenção é colocar arquibancadas nas laterais, que não influam no tombamento do campo. “O tombamento que existe é do campo. Todos os campos do Rio são tombados. O que precisa fazer no caso da Gávea é implantar arquibancadas provisórias nas laterais. Então não acredito que haja problema nenhum. É claro que toda obra, seja provisória ou definitiva, tem que ter apoio de autoridades. Se for o caso de trabalhar nesta solução, vamos correr atrás disso”, contou Bandeira.

Fonte: Terra