Vasco é derrotado pelo Paraná por 2 a 1, mas segue na liderança

A torcida ficou na bronca e vaiou a equipe

O Vasco voltou a tropeçar em casa, no estádio São Januário, nesta terça-feira (28), pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B. Nenê abriu o placar contra o Paraná ainda no primeiro tempo, mas o time visitante virou para 2 a 1, com um gol de Jorge Henrique (contra) e outro de Murilo Rangel, no final da partida. 

Há 10 dias, contra o Paysandu, o Vasco já havia perdido em seus domínios. A torcida ficou na bronca e vaiou a equipe, com ênfase para Julio dos Santos.  

Mesmo com o resultado, o time carioca segue na liderança da Segundona, agora com 28 pontos. Atlético-GO, o atual vice, ganhou do Criciúma, chegou aos 25 e encurtou a diferença na ponta da tabela. O Paraná foi a 20 pontos e é o 9º.

Na próxima rodada, o clube de Curitiba enfrentará o Bragantino em São Paulo, novamente fora de casa – o jogo está marcado para o próximo sábado (02). O Vasco, na mesma data, visitará o Avaí na Ressacada, em Santa Catarina.

O meia Murilo Rangel, aos 42 minutos do segundo tempo, completou contragolpe fulminante do Paraná com bola na rede, depois de trapalhada de Aislan e William. A dupla do Vasco trombou com bola dominada na zona central, em lance inacreditável aproveitado por Robson, dos visitantes, que invadiu a área, cortou Rodrigo e serviu o herói do confronto - ele só teve o trabalho de balançar a rede, com a canhota. 

Nenê foi às redes mais uma vez. E aconteceu logo aos 6 minutos do primeiro tempo. O meio-campista, dentro da área, ignorou a marcação do volante rival Basso e aproveitou a sobra de bola para estufar o barbante de pé canhoto, o bom, sem chance para o goleiro Marcos. Foi o nono gol do camisa 10 na Série B, o que faz dele artilheiro isolado da competição que até aqui teve 13 rodadas. Gustavo, do Criciúma, é vice com sete.

O curioso é que Nenê estava na "seca". Seu último gol havia sido no dia 31 de maio, no triunfo sobre o Oeste. De lá para cá, foram seis jogos em branco, além de um como desfalque.

Vasco volta a tropeçar em casa (Crédito: Site Vasco)
Vasco volta a tropeçar em casa (Crédito: Site Vasco)


E a jogada que originou o gol de Nenê tem sido arma fatal do Vasco em 2016. Madson cobrou lateral pela direita dentro da área, a defesa do Paraná se atrapalhou e o meio-campista só teve o trabalho de colocar na rede. Foi a terceira vez na temporada que o lance terminou em gol: antes, no Campeonato Carioca, o mesmo Nenê havia assegurado vitória para o clube a partir de um arremesso de Madson, que também cruzou literalmente com as mãos para um tento de Andrezinho, esse já pela Série B, no 3 a 2 sobre o Náutico. Para enfrentar o líder da competição, o Paraná de Marcelo Martelotte apostou em jogo simples: marcação forte e saídas de contragolpe. Como resultado, o Vasco pouco criou além da jogada de gol, ensaiada a partir do lateral de Madson. O time visitante encaixou três bons ataques rápidos: em um deles,

Lúcio Flávio demorou a entregar a bola para um companheiro melhor posicionado e arriscou de fora da área, em chute desviado que saiu pela linha de fundo, com perigo. Nos outros dois, o bandeirinha assinalou impedimentos inexistentes.O Paraná foi coroado pela partida sólida aos 42 minutos da segunda etapa, quando Murilo Rangel, em contra-ataque, fez o gol da vitória. O Paraná conseguiu equilibrar o jogo logo depois de ter sofrido o primeiro gol, mas seguiu em desvantagem até os 35 minutos do primeiro tempo. E só empatou quando Jorge Henrique, do Vasco, desviou contra o próprio gol uma cobrança de falta pela esquerda.

A redonda entrou no canto oposto da meta, sem chance para Martín Silva.O gol rápido do Vasco gerou nas redes sociais uma euforia inicial que fora logo abafada por constatação certeira: o time do Rio de Janeiro, sempre que sai na frente, recua e chama o adversário para a partida. Foi o que aconteceu – e o castigo cruz-maltino se deu aos 42 do segundo tempo. Nem a liderança folgada da Série B tem aplacado o mau humor dos vascaínos, e quem sentiu a "corneta" na pele desta vez foi o meio-campista paraguaio Julio dos Santos.

O jogador, no começo do segundo tempo, passou a ser vaiado sempre que tocava na bola. Aos 15 minutos da etapa complementar, foi substituído por William, decisão do técnico Jorginho contestada pelo comentarista André Lofredo do SporTV."Isso queima o jogador, ainda que não seja a intenção de Jorginho, é claro, que é sempre muito correto", opinou. Com Julio dos Santos fora das quatro linhas, os torcedores dirigiram as críticas ao zagueiro Aislan e ao lateral direito Madson.Martín Silva, goleiro uruguaio do Vasco, foi homenageado no São Januário. O jogador, titular na partida desta terça-feira, teve sua imagem estampada em bandeira. Não foi a primeira aparição da faixa, mas ela não era estendida no estádio desde a final do estadual.

Fonte: UOL