Curado de depressão, Diego Hypólito dá reviravolta e busca medalha em olimpíada

Curado de depressão, Diego Hypólito dá reviravolta e busca medalha em olimpíada

Muitas vezes é preciso fazer ginástica para se livrar dos problemas da vida. Diego Hypolito sempre foi especialista nisso, mas ele não esperava encontrar pela frente a depressão, doença cada vez mais comum que afeta o funcionamento normal do cérebro, provocando sintomas como desânimo e falta de interesse por qualquer atividade. Bicampeão mundial no solo (2005 e 2007) e um dos atletas olímpicos mais conhecidos do Brasil, Diego travou uma dura batalha, de quase um ano, para se curar da patologia.

O problema surgiu no período em que ele ficou sem clube e treinava de favor no Pinheiros, em São Paulo. Foram 15 meses entre a demissão no Flamengo até a contratação pelo São Bernardo, em junho deste ano. Depois de inúmeras sessões de terapia e alguns medicamentos, o ginasta de 28 anos de idade está recuperado e pronto para chegar com tudo nas Olimpíadas do Rio 2016 e realizar o sonho de conquistar a sua primeira medalha olímpica. - Eu nem tinha motivação para treinar. Não estava sendo disciplinado em questão de horário, de não faltar e de cumplicidade com o treino. Eu perdi a minha felicidade. Eu sempre estou rindo o dia inteiro.

Se você reparar o meu treino, eu estou sempre sorrindo, mas eu não era mais assim. Eu não estava mais tendo o desempenho que eu queria ter. O meu objetivo é muito claro, eu quero ser medalhista olímpico e vou fazer tudo para buscar isso. Eu acredito que eu posso e buscarei medalha olímpica. Até onde o meu sonho pode ir, só eu e Deus vamos decidir - afirmou Diego, que treina com a seleção brasileira, em São Caetano do Sul. Na fase em que sofreu com a depressão, o ginasta percebeu que ele precisava encontrar um clube que, além de uma boa estrutura, também lhe oferecesse carinho e atenção. Foi o que ele conseguiu enxergar no São Bernardo e no treinador Fernando Lopes.

- Eu fiquei um ano e meio sem clube e agora estou no São Bernardo. Eu tive outras propostas, mas eu quis ir aos locais para ver o interesse das pessoas. Eu quero carinho e fui buscar isso. O meu ciclo olímpico começou agora, óbvio que foi tardio. Eu decidi pensar mais em mim, muitas vezes eu não queria magoar os outros e não via que eu estava me prejudicando.

Fonte: Globo Esporte