Zanetti vê Jogos do Rio como troco para erro de arbitragem na China

Lá Zanetti e o seu algoz, Yang Liu, têm tudo para se enfrentar novamente na busca pelo topo.

Arthur Zanetti sentiu na pele o que é enfrentar em uma final de argolas um chinês em um Mundial na China, isso porque a avaliação dos ginastas depende dos juízes, que é claro, iriam olhar diferente para o atleta da casa. Mas o ginasta brasileiro, já tem o dia do seu troco: as Olimpíadas do Rio 2016. Lá Zanetti e o seu algoz, Yang Liu, têm tudo para se enfrentar novamente na busca pelo topo.

E competir no Brasil pode ser um grande diferencial para o atual campeão olímpico. Questionado sobre uma suposta arbitragem caseira a favor do chinês e dos chineses, em geral, Arthur fez um certo rodeio, mas deixou no ar o seu pensamento sobre o assunto que despertou grande polêmica, principalmente por conta da final masculina por equipes, que foi vencida pela China, após uma decisão ''bem estranha'' da arbitragem, nas palavras de Zanetti.

– Pode te ajudado ele (Liu), não sei exatamente se sim ou se não. Mas acho que você competindo em casa tem a seu favor alguns fatores, a torcida e o fato de estar adaptado ao seu país. Você já sai com um passo na frente. Esse Mundial foi na casa dele, mas as Olimpíadas vão ser na minha casa – afirmou Arthur, no ginásio da Agith, onde treina, em São Caetano do Sul.

Na decisão do ultimo sábado, Yang Liu apresentou uma série consistente e recebeu nota 15,933. O brasileiro fez uma boa apresentação e veio logo atrás, com 15,733. Para especialistas, um empate ou até uma inversão de posições não seria algo incompreensível, dando assim margem para dúvidas sobre a interpretação dos juízes.

– Ele não fez nada diferente ou novo. Foi só uma execução bem feita. Ele fez a mesma série do Campeonato Chinês. Não teve nada de extraordinário – disse Zanetti, que ficou no vácuo ao tentar cumprimentar Liu durante a final.

Muito mais do que o resultado das argolas, foi na decisão masculina por equipes que surgiu a nota mais questionada dada a um chinês na competição. Após a disputa de cinco dos seis aparelhos da decisão, a China estava atrás do Japão na briga pelo ouro. Até que Zhang Chenlong conseguiu a alta nota de 15,966 na barra fixa, fazendo os chineses assumirem a ponta e conquistarem o topo do pódio em casa. A decisão dos juízes foi extremamente criticada, inclusive por Arthur Zanetti.

– Foi muito estranha a decisão por equipes. Mas foi o que os árbitros acharam. Eles decidiram que ele mereceu 15,933 na barra. A gente não pode fazer nada, mas foi bem estranho – argumentou o paulista.

Após a cansativa viagem de volta ao Brasil na terça-feira de madrugada, Arthur ganhou folga até sexta-feira. Quando retornar ao treinos, o ginasta vai se preparar para os dois últimos compromissos em 2014. Na metade da semana que vem, ele viajará para o México para participar de uma exibição em um festival. Em novembro, Zanetti vai disputar o DTB, competição por equipes, na Alemanha.

Clique aqui e curta o Portal Meio Norte no Facebook

Fonte: Globo Esporte