Grêmio empata com Fla por 1 a 1  e perde chance de encostar no topo  do Brasileirão

Grêmio empata com Fla por 1 a 1 e perde chance de encostar no topo do Brasileirão

Para o Grêmio, o panorama poderia ter sido melhor

O gramado do Engenhão atraiu opostos neste domingo. Um time assustado pelo risco de queda, com peças atrapalhadas, foi salvo pelo estalo de um talento individual contra um adversário organizado, esperançoso de título, mas em tarde discreta de seus principais nomes. Golaço de falta de Adryan no segundo tempo evitou que o Flamengo perdesse a quinta seguida no Brasileirão. O empate por 1 a 1 fortaleceu o Grêmio na luta pela ponta - já que Fluminense e Atlético-MG perderam na rodada. Marcelo Moreno marcou para os gaúchos ainda na etapa inicial.

O Flamengo viveu momentos de terror. Chegou a ter uma derrota combinada com vitória do Sport sobre o Inter - resultados que o deixariam a um ponto da zona de rebaixamento. Mas foi apenas susto. Saiu o empate no Engenhão, e o Colorado buscou a igualdade no Beira-Rio. Com isso, o Rubro-Negro segue em 16º, com 28 pontos, quatro à frente do Z-4. Está há sete partidas sem ganhar.

Para o Grêmio, o panorama poderia ter sido melhor. Mas é ingratidão reclamar da rodada. Com as derrotas do líder e do vice, o time de Vanderlei Luxemburgo foi a 48 pontos, na terceira colocação. Tem três a menos que o Atlético-MG e cinco de defasagem para o Fluminense.

As duas equipes voltam a campo no domingo, ambas fora de casa. O Flamengo encara o Atlético-GO às 16h. O Grêmio enfrenta o Atlético-MG às 18h30m.

Quantidade não é qualidade

Zé Roberto tem a bola sob seu controle. Até se enrola com ela, mas consegue acionar Pará. Do lateral, a jogada flui para Elano. Marcelo Moreno já liga as antenas e parte para receber às costas da zaga. E marca. O gol do Grêmio, aos 17 minutos do primeiro tempo, é uma troca de passes, uma ação coletiva, uma trama. É justamente aquilo que, rodada após rodada, o Flamengo não consegue encontrar.

O Grêmio fechou a etapa inicial na frente do Flamengo mesmo com menos posse de bola (52% a 48%), menos finalizações (seis contra quatro), muito menos bolas levantadas na área (seis a um). É que quantidade não é qualidade. Jogadas gratuitas, aleatórias, não combinam com precisão. E o time tricolor soube ser preciso. Fernando, suspenso, não fez falta. A impressão é de que quaisquer que sejam as peças no meio-campo azul, o time vai funcionar. Marco Antônio, um meia, foi o substituto do volante.

O Flamengo, é bem verdade, já jogou pior neste Brasileirão. Mas a entrada de Léo Moura no meio não corrigiu, num passe de mágica, os problemas visíveis da equipe de Dorival Júnior. Os atletas seguem jogando como se não tivessem a mínima ideia de onde está o colega - o que talvez justifique o excesso de jogadas áereas, uma bengala comum para os times que não conseguem criar com a bola raspando no gramado.

Os donos da casa até tiveram uma ou outra chance. Já no primeiro minuto, Luiz Antonio bateu cruzado e Liedson, no meio do caminho, desviou para fora. O mesmo atacante, aos 24, acertou o travessão de Marcelo Grohe, depois de mais um cruzamento de Ramon afastado pela zaga adversária. De resto, foram chutes de longe - ou defendidos pelo goleiro (caso de uma tentativa de Wellington Silva), ou mandados para longe (como num arremate torto de Vágner Love).

O pé direito de Adryan

Quando o conjunto é vazio, resta apelar para a qualidade individual. É o que Adryan, o substituto de Luiz Antonio no intervalo, tem. Uma cobrança de falta preciosa do garoto, aos 15 minutos do segundo tempo, deu vida ao Flamengo. A chuteira que ele calça em seu pé direito encontrou a bola, e a bola encontrou o ângulo de Marcelo Grohe - que não encontrou nada. Golaço. 1 a 1.

O Flamengo voltou melhor no segundo tempo. O time gaúcho não resistiu ao cacoete de recuar. Vágner Love, ainda antes do gol de Adryan, já poderia ter marcado. A bola caiu na rede, mas por fora.

O Grêmio tentou recuperar corpo no jogo. Elano, perigoso, arriscou duas vezes, mas sem sucesso. Enquanto isso, o time da casa seguia disposto a eliminar seu drama no campeonato. Nixon, que entrou no lugar de Liedson, recebeu em profundidade de Léo Moura e quase virou. Parou em Grohe. Bottinelli mandou pancada de longe, perto da meta tricolor.

Os minutos finais foram de tensão. As duas equipes (especialmente os cariocas) davam sinais de que ainda poderiam buscar algo melhor. Mas não conseguiram. O empate por 1 a 1 nem aproximou o Flamengo do inferno, nem colou o Grêmio no céu.

Fonte: Globo Esporte