Guardiola contratou detetive para espionar saídas de Piqué com Shakira

Técnico controlava vida particular do zagueiro, que saía demais com Shakira

No Barcelona, Pep Guardiola controlava seus jogadores não apenas nos jogos e treinos - de acordo com uma reportagem publicada nesta segunda-feira por um jornal espanhol, o técnico invadia a vida pessoal dos atletas, fazendo telefonemas no meio da noite e contratando até um detetive particular para segui-los de perto. Guardiola, que assume o Bayern de Munique no segundo semestre, foi o treinador mais vitorioso da história do Barça, e exigia comportamento exemplar de seus comandados na Catalunha. De acordo com o jornal El Confidencial, o técnico tinha como um de seus principais alvos o zagueiro Gerard Piqué. Quando o atleta de 26 anos começou a namorar com a cantora Shakira, Guardiola contratou uma agência de investigação para vigiá-lo.


Guardiola contratou detetive para espionar saídas de Piqué com Shakira

Não é a primeira vez que se especula sobre um possível atrito entre Guardiola e Piqué. Já na reta final da gestão do treinador na Catalunha, Piqué, titular da seleção espanhola e considerado um dos melhores zagueiros do mundo, chegou a ser barrado pelo técnico. Na ocasião, ele garantiu que o zagueiro tinha sido excluído temporariamente do time titular por motivos puramente esportivos, e não por causa de seu comportamento. A imprensa espanhola revelou rumores de que ele teria exigido a saída do jogador como condição para seguir no clube, o que jamais foi confirmado. Na ocasião, ele garantiu que não reprovava o estilo de vida de Piqué - que, antes do nascimento do primeiro filho com Shakira, gostava de sair em companhia da cantora e dos amigos e tinha uma agenda social bastante concorrida.

"Ele tem uma vida muito completa como pessoa e não quero mudar isso. Alguns jogadores têm só o futebol em suas vidas, mas outros gostam de muitas outras coisas, e isso é muito importante. Ele vive desse jeito porque ele é assim. E eu o amo como ele é." Piqué também assegurou que era respeitado pelo técnico. "Conversamos muito mais do que as pessoas pensam. Falamos não só sobre futebol, mas sobre tudo. Ele é duro comigo, mas eu gosto que seja assim." Depois de passar quatro anos no comando do time, Guardiola deixou o Camp Nou alegando cansaço. Ele passou um ano sabático em Nova York e acertou seu retorno para este ano, na liga alemã.

Fonte: Veja