Inter critica Palmeiras por querer anular partida que teve gol de mão

O que a equipe gaúcha disse lamentar é a atitude da equipe alviverde.

O Internacional não se surpreendeu com a impugnação da partida contra o Palmeiras, conforme decisão do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) na noite de terça-feira, foi o que afirmou o advogado do clube, Daniel Cravo. O que a equipe gaúcha disse lamentar é a atitude da equipe alviverde.


Inter critica Palmeiras por querer anular partida que teve gol de mão

"Não há surpresa no fato de não ter havido homologação da partida e, portanto, os pontos estarem sob judice. Ninguém pode impedir o Palmeiras de apresentar impugnação da partida. O presidente do STJD cumpriu a lei", explicou Cravo.

"Nós lamentamos que o Palmeiras se apresente em juízo querendo disputar de novo uma partida com base em uma atitude ilícita de seu jogador."

Cravo explica que pelo artigo 84 do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva) o tribunal, ao receber o pedido de impugnação, precisa informar a CBF, que tem de colocar a partida sob judice até a decisão final (julgamento).

O Palmeiras reclama de interferência externa na decisão da arbitragem, que voltou atrás após validar um gol de mão de Barcos contra o Inter aos 17min do segundo tempo. As duas equipes se enfrentaram no sábado e o time paulista perdeu por 2 a 1, em Porto Alegre. O resultado deixa o alviverde mais perto da segunda divisão do Brasileiro.

O lance aconteceu no segundo tempo. O árbitro da partida, Francisco Carlos Nascimento, assinalou o gol, mas depois anulou pela irregularidade de Barcos. O time alviverde argumenta que Nascimento não viu o lance e que o delegado do confronto, Gerson Baluta, foi quem avisou ao quarto árbitro após consultar uma repórter da TV Bandeirantes que viu a imagem pela televisão.

O uso de imagens de TV para tirar dúvidas é proibido pela Fifa, assim como o uso de fontes externas ao jogo (neste caso, o delegado da partida).

"O Palmeiras alega que a contaminação da decisão do árbitro foi através do delegado da partida. É estranho porque o delegado não tem aquele rádio para comunicação com o árbitro. Quem tem são os integrantes da equipe de arbitragem. O fato que o Inter conhece é de que foi o quarto arbitro quem viu a infração e comunicou", disse Cravo.

"O Inter confia que vai prevalecer a justiça em todos os âmbitos. A justiça no nível mais amplo. Seria a desmoralização do futebol jogar uma nova partida com base em um lance assim", acrescentou o advogado do clube gaúcho.

Até o julgamento, que ainda não tem data confirmada, o Internacional volta a ter 48 pontos na tabela de classificação. O time alviverde segue com 32. A vitória colorada será confirmada de acordo com a posição do STJD.

Fonte: Folha