João Vitor é afastado por chegar ao treino com hálito de bebida

João Vitor é afastado por chegar ao treino com hálito de bebida

A comissão técnica o impediu de treinar com o restante do elenco e o atleta nem entrou em campo

João Vítor não treinou na última segunda-feira e também não joga nesta quarta, contra o Flamengo, em Barueri. O motivo é que o volante apareceu na Academia de Futebol com um hálito de bebida alcoólica e aparência ruim. Como justificativa, ele alegou ter "dormido mal", apesar do treino ter início marcado para às 15h30. A comissão técnica o impediu de treinar com o restante do elenco e o atleta nem entrou em campo. Como forma de punição imediata, ele nem foi relacionado por Luiz Felipe Scolari.

"Isso acontece em todo lugar, todos os clubes, a diferença é que no Palmeiras vaza. Nós até sabemos quem foi o primeiro a fazer esse vazamento, mas, como não é funcionário do Palmeiras, não podemos fazer nada. O atleta não estava trançando as pernas, mas era melhor ele não treinar", disse um dirigente que não quis se identificar.

Além dessa punição, o jogador deve ter um desconto em cima do salário, mas tudo tentará ser abafado pela diretoria do Palmeiras. A tendência é que ele não deixe de receber parte de seus vencimentos, mas pague uma multa em cima do que ganha. A taxa varia de 20% a 40% e deve ser depositada na "caixinha" dos atletas.

João Vítor também levou o famoso "puxão de orelha" da comissão técnica. Para piorar a sua situação, ainda nesta quarta-feira, ele receberá uma concorrência extra no meio de campo. Corrêa foi aprovado nos exames médicos e será apresentado nesta quinta-feira como o novo reforço para a posição. Ainda há nomes como João Denoni que vêm da base e estão em evidência atualmente.

João Vítor também já teve problema extracampo no ano passado, justamente às vésperas de um jogo contra o Flamengo. Ele se envolveu em confusão com alguns torcedores em frente à loja oficial do Palmeiras e fez Kleber se rebelar em sua defesa, pedindo que o time não viajasse ao Rio de Janeiro em forma de protesto contra a falta de segurança. O episódio deflagrou uma crise que acabou com a saída de Gladiador do Palestra Itália.

Um dia depois, o Palmeiras viajaria normalmente para o Rio de Janeiro e, mesmo em crise, não saiu derrotado do confronto contra o Flamengo.

Fonte: UOL