Juninho critica vazamento do valor que ganha no Vasco

Meia explica acordo assinado com o Vasco no início do ano e diz que até agora recebeu por apenas uma das 15 partidas que fez na temporada

Juninho Pernambucano desabafou. Em entrevista exclusiva ao Tá na Área, nesta quarta-feira, o jogador mostrou estar incomodado com o fato de alguém do clube ter divulgado termos do seu atual contrato. Os valores passaram a ser questionados, e a diretoria não está cumprindo o que foi combinado. Após assinar no ano passado um contrato em que aceitava receber um salário mínimo por mês, Juninho renovou e fez um novo acordo para receber por rendimento. O meia tem direito a R$ 50 mil por partida feita pelo Vasco. Em 2012, foram 15 jogos, com sete gols marcados. Mas o clube pagou apenas uma partida até agora.

- Cada jogador tem seu contrato. Não acho que seja certo expor (...). Me incomoda porque, com 37 anos, não é esse último contrato com o Vasco que vai fazer a diferença. (...) Devo ter feito 14 jogos (foram 15), mas também não estou preocupado porque o clube só me pagou um jogo até agora, e não é por isso que eu vou deixar de jogar. (...) É um direito adquirido porque assinei um contrato, e quando a gente assina tem o direito de receber. É lógico que quero receber, mas isso me incomoda porque ficou muito chato, e aparentemente isso partiu de alguns conselheiros do clube. E sempre falo que o melhor conselho quem pode me dar é um psicólogo ou um psiquiatra, porque aí seria de profissionais - disse Juninho, que lembrou ter recusado uma proposta muito melhor do exterior.

- Um contrato de R$ 250 mil por mês seria excelente para um jogador de 37 anos. Mas não era a melhor proposta que eu tinha. Tinha para ganhar muito mais e voltar para o Qatar, ganhar mais do que o dobro. Mas quando decidi voltar não foi pela parte financeira. (...) Sou o único jogador do Brasil que tem contrato por produtividade, então acho que isso também é bom para o clube.

Juninho explicou como foi a negociação do novo contrato com o Vasco.

- Quando o Vasco me ofereceu R$ 250 mil, peguei a média de jogos do ano passado. Teve mês que eu fiz três jogos, outros que eu fiz seis, então dava mais ou menos cinco jogos por mês. Os R$ 250 (mil) divididos por cinco dá R$ 50 mil (por jogo), então, cada vez que eu jogo eu tenho direito a R$ 50 mil. Por exemplo, no mês de janeiro só tem dois jogos na tabela, então eu fiz os dois jogos, o clube já economizaria R$ 150 mil. No mês de abril ainda não entrei em campo.

O Reizinho condenou quem usa o Vasco para se aproveitar e levar vantagens.

- Conselheiro eu só respeito dois. Aquele que é torcedor quando o time ganha e quando o time perde, que cumprimenta o jogador olhando no olho. E o outro é aquele que tira o dinheiro do próprio bolso para ajudar o clube a pagar o salário. Mas aquele conselheiro que usa o clube para dizer que é conselheiro do Vasco, para que as portas sejam abertas, para aproveitar do clube e derrubar jogador, que quer escolher treinador e jogador e quando o clube está em crise, mas nunca assumem que foram eles que escolheram, esse nunca vou respeitar. Mas eu sei que faz parte do futebol. São coisas que chateiam um pouco, mas não vão mudar nada no meu dia a dia, mudar meu empenho, minha vontade.



Fonte: Globo Esporte