Léo Moura pede desculpa por palavrões contra torcida do Fla

Léo Moura disse, porém, que quem vaia não pode ser considerado torcedor do Flamengo

O lateral Léo Moura pediu desculpas pelos palavrões proferidos contra a torcida do Flamengo após marcar um gol no empate em 1 a 1 com o Náutico.

- Quero aqui, ao vivo, pedir desculpas. Sei que havia crianças e famílias assistindo, mas aquilo foi um desabafo pelo gol que a gente precisava. Quero deixar meu perdão aos torcedores que foram lá para apoiar o time, e não vaiar - declarou ele, por telefone, em entrevista ao programa "Redação Sportv", na manhã desta segunda-feira.

Léo Moura disse, porém, que as vaias partiram de "meia dúzia" e que quem vaia não pode ser considerado torcedor do Flamengo.

- Não aceito que no início do jogo a torcida comece a vaiar. Não a torcida, mas meia dúzia ou dez que tentam direcionar alguma coisa negativa para o grupo. São meia dúzia de indivíduos que eu nem considero torcedores do Flamengo - atacou. - Quero pedir perdão aos verdadeiros torcedores do Flamengo que vão ao Maracanã para apoiar, porque o time ainda tem muito que crescer e o Léo Moura ainda tem muito a dar ao Flamengo - completou.

STJD pode denunciar Léo Moura

Os palavrões podem render problemas ao lateral do Flamengo. O procurador-geral do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Paulo Schmitt, informou que a Procuradoria vai requisitar o vídeo para conferir as imagens em que é possível fazer leitura labial e identificar as palavras que ele proferiu.

Schmitt diz que Léo Moura pode responder por atitude antidesportiva - artigo 258 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) - e ser suspenso por até dez partidas do Campeonato Brasileiro.

- Isso gerou polêmica, mas há o problema da leitura labial. Vamos analisar as imagens com calma para ver se cabe denúncia - disse Schmitt ao site Justiça Desportiva.

Leonardo Moura, no entanto, não acredita em punição.

- As pessoas que estão de fora vão analisar isso com mais frieza e vão ver que foi só um desabafo - afirmou ele.

Fonte: Extra, extra.globo.com