O lutador Anderson Silva se diz perto da aposentadoria e planeja futuro como ator

Brasileiro falou também sobre as dificuldades em reunir a confiança necessária para chutar novamente após a fratura na perna esquerda

Os fãs de MMA, especialmente os que acompanham o UFC desde a década passada, vão se lembrar de Anderson Silva como um dos maiores lutadores da história. Porém, se depender do próprio Anderson, ele pode acabar reconhecido pelos mais jovens mais por suas atuações no cinema do que necessariamente por seu passado de glórias no esporte. Durante entrevista, o Spider revelou que está cada vez mais próximo de pendurar as luvas e garantiu que seu futuro está no cinema.


“Eu já passei por aquela coisa de ser o campeão, de ter o cinturão e tal. A verdade é que Ayrton Senna só vai ter um, Pelé só vai ter um e Anderson Silva só vai ter um,. Então, assim, quem viu, viu… Quem não viu, não vê mais. De certa forma vai ver, mas não lutando pelo cinturão, aquela coisa de cinturão de novo. Eu não tenho mais paciência para isso. Eu acho que a cada dia que passa eu fico mais perto de me aposentar”, disse Anderson ao programa “Fantástico”, da Rede Globo.

“Acho que dentro da luta eu conquistei as coisas as quais eu queria e as quais eu desejava e na verdade eu não vou virar ator, eu já sou ator. As pessoas confundem muito: ‘Ah, ele está tentando’. Não, eu não estou tentando, eu já sou ator. O meu objetivo é ser tão bom ator quanto fui lutador. Eu não tenho a pretensão de ser um Denzel Washington, mas espero chegar perto”, assegurou.

Anderson atualmente conta com alguns trabalhos em sua filmografia, quase todos relacionados de alguma forma ao mundo das artes marciais. Além do elogiado documentário sobre sua primeira luta contra Chael Sonnenn “Como água” (2011), em que não necessariamente participa atuando, Anderson esteve nos longas “Tapped Out” (2014), “Jogo Mortal” (2009) e “Hell’s Chain” (2009), em que contracenou com os também lutadores Lyoto Machida, Georges St. Pirre, Quinton Rampage Jackson, Heath Herring, entre outros.

O ex-campeão também fez uma participação especial em “Até que a Sorte nos Separe 2″, estrelado pelo humorista Leandro Hassum, e gravou recentemente seu primeiro papel dramático no romance “Monday Nights at Seven”, ainda sem data oficial para lançamento.

Após fratura, Spider tem acompanhamento de psicóloga para voltar a chutar

Mesmo que o projeto nas telonas seja importante e grandioso na vida de Anderson, o ex-campeão tem pela frente um desafio naquele que até então foi o maior palco de sua vida: o octógono. Em janeiro de 2015, 13 meses após a fratura na perna esquerda sofrida durante a revanche contra Chris Weidman, o brasileiro volta a lutar e enfrenta Nick Diaz. Para sua primeira atuação após a contusão, o Spider revelou que tem recebido assistência psicológica para recuperar a confiança em seus chutes.

“A força, ela está vindo, porque eu voltei aos treinos, então, a força está vindo. O que está mais difícil mesmo é a autoconfiança, voltar a chutar da forma que eu chutava antes. Eu estou tendo um acompanhamento de uma psicóloga para que eu tire os fantasmas daqueles momentos horríveis que foram da luta, quando eu tive o acidente. Na hora dos treinos eu fico meio apreensivo. Eu sei que eu posso executar o movimento, mas eu acabo não fazendo por medo. Eu sei que não vai machucar. Mas é natural o medo”, analisou Anderson, que ainda avaliou sua condição física atual com uma precisão espantosa.

“100% eu não digo, mas eu estou 91%”, garantiu.

Aos 39 anos, Anderson Silva tem um cartel profissional de 33 vitórias e seis derrotas. Campeão dos médios entre 2006 e 2013, Anderson retorna ao octógono no dia 31 de janeiro. Na ata, o Spider enfrenta o ex-campeão do extinto Strikeforce Nick Diaz. O duelo é a luta principal do UFC 183, tradicional evento na agenda do Ultimate que antecede o dia do SuperBowl (a final do futebol americano nos Estados Unidos), em Las Vegas (EUA).

Clique e curta o Portal Meio Norte no Facebook

Fonte: Terra